fbpx

A novela de José Serra, família Lula e Qualicorp

senador José Serra
 


A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (21/7) uma operação que investiga suposto caixa 2 na campanha de José Serra (PSDB) ao Senado em 2014. 

As investigações apontam que ele recebeu R$ 5 milhões em doações não contabilizadas feitas a mando do empresário José Serpieri Júnior, da Qualicorp, alvo de mandado de prisão.

A operação, que foi denominada Paralelo 23, é uma nova fase da Lava Jato que apura crimes eleitorais e é feita em conjunto com o Ministério Público Eleitoral (MPE). 

As apurações se restringem aos fatos de 2014, quando Serra ainda não tinha o mandato de senador. Por volta das 8h50, três dos quatro mandados de busca e apreensão já tinham sido cumpridos.  

O senador José Serra já tinha sido alvo de outra operação no início deste mês, quando foi denunciado pela força-tarefa da Lava Jato em São Paulo por lavagem de dinheiro. Na ocasião, a filha dele, Verônica Allende Serra, também foi denunciada pelo mesmo crime.

Senado barra entrada da PF no gabinete de José Serra

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, vai entrar com uma reclamação no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a ação da Polícia Federal de tentar realizar busca e apreensão no gabinete do senador José Serra.

De acordo com o Senado, a decisão que desencadeou a ação é de 1º instância. Nela, o juiz afirma que precisaria do “cumpra-se” da autoridade competente e, na avaliação do Senado, essa autoridade não é a PF, mas o STF.

O mandado de busca e apreensão que a PF tentava cumprir, assinado pela Justiça Eleitoral visava o recolhimento de documentos ou outras provas relacionadas aos crimes eleitorais de associação criminosa e de lavagem de dinheiro, incluindo registros contábeis, agendas, ordens de pagamento e documentos relacionados à manutenção de contas no Brasil e no exterior em nome de Serra ou de terceiros.

E ainda, dinheiro em moeda nacional ou estrangeira, veículos ou documentos indicativos da propriedade de bens, desde que proveitos do crime que está sendo investigado, computadores ou quaisquer outros tipos de meios digitais, ficando autorizado acesso a todo o conteúdo dos aparelhos, incluindo qualquer mensagem de aplicativo e comunicação telefônica.

O mandado dizia ainda que em caso da entrada ser negada, os policiais teriam autorização até mesmo de arrombar as portas e os cofres. 

“O cumprimento da medida deve ser acompanhado de algum representante da mesa diretora ou funcionários indicados pelo presidente do Senado, por ocasião de sua execução devendo a autoridade policial de modo fundamentado, explicitar no auto de busca e apreensão, a razão de cada objeto ou documento apreendido, demonstrando desde logo sua pertinência com a investigação em curso”, diz o texto.

Foi pedido aos policiais que esperassem a chegada de agentes da polícia legislativa e do advogado geral do Senado, que queria conferir o mandado. 

No entendimento do Senado, a Polícia Federal não tem competência para este tipo de investigação e sim o STF. Por isso, até o momento, nada foi apreendido.

PF prende fundador da Qualicorp

Agentes da Polícia Federal (PF) prenderam, na manhã dessa terça-feira (21/7), o fundador da Qualicorp, José Seripieri Filho. Contudo, ele foi detido temporariamente. Seripieri é alvo de uma operação que investiga caixa 2 na campanha de José Serra (PSDB) ao Senado em 2014. Em síntese, o parlamentar teria recebido R$ 5 milhões em valores não declarados.

Analisando alguns fatos, em 2010, José Serra era candidato à presidência. Após a “derrota” do Serra, passaram alguns anos e morre o filho do governador Geraldo Alckmin.

Perito que analisou queda de helicóptero com filho de Alckmin vira réu após MP apontar “falhas” em laudo (até hoje não se sabe ao certo o que aconteceu com esse perito).

O Antagonista descobriu que a G4, de Fábio Luís Lula da Silva, o “Lulinha”, foi contratada pela Qualicorp para prestação de serviços de tecnologia da informação. Petar Langbajn Neto, gerente de projeto, disse que foi instruído pelo advogado a não se manifestar sobre o caso. Bruno Lorencini, programador, também não quis comentar, por ser amigo da família Lula da Silva.

A Qualicorp era a empresa que fazia todas as viagens de avião e helicóptero para Lula. O helicóptero que o filho do Alckmin morreu também era da Qualicorp. O perito que  investigou a queda do helicóptero passou a ser investigado pelo Ministério Público. A empresa que pagou o José Serra foi justamente a Qualicorp. [Comentários de Allan dos Santos no Boletim da Manhã de 20/07]

Assista aos comentários da notícia

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...