fbpx

Adélio Bispo de Oliveira, o arquivo secreto

Adélio
 


Intriga toda sociedade brasileira o estranho desfecho da investigação da tentativa de assassinato do então candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro. Em um enredo pouco sustentável, a Superintendência da Polícia Federal de Juiz de Fora concluiu que o criminoso agiu sozinho, por conta própria e não identificou qualquer vínculo da ação criminosa a eventuais mandantes ou, mesmo, a participação de terceiros.

A resposta da investigação produzida pela Polícia Federal consolidou, em síntese perfeita, declarações de autoridades governamentais da época, que, de forma apressada, descreveram a personalidade criminosa de Adélio Bispo de Oliveira, como comparável à de um lobo solitário. A Polícia Federal não vislumbrou qualquer hipótese de trama, vínculo com facções criminosas internas ou de grupos terroristas. Parece que estavam diante de um crime cuja motivação se restringira a aspectos de simples contrariedade a ideias políticas. Crime esse, que, embora carregado de futilidade, não se limitou a esse aspecto como acentuado na denúncia do Ministério Público Federal.

O crime, segundo o Ministério Público Federal, teve nuances e dinâmica de planejamento, organização da ação e de obstinação na consecução do objetivo. Adélio Bispo de Oliveira, executor do crime, estudou minuciosamente e percorreu os locais por onde o então candidato Bolsonaro passaria, inclusive o Trade Hotel, local onde ocorreria o almoço com empresários. 

O criminoso percorreu e fez uma espécie de reconhecimento de cada local antes da data dos eventos programados pela equipe de campanha do candidato Bolsonaro. Esteve no hotel e na Câmara Municipal, onde se iniciaria a caminhada e na Praça da Estação local no qual seria realizado o comício. Fotografou e filmou tudo!

O Ministério Público Federal fez constar na denúncia que Adélio Bispo de Oliveira tinha militância política efetiva. Não só atuava nas redes sociais, mas havia sido filiado a partido político por sete anos, de 06 de maio de 2007 a 29 de dezembro de 2014, e tentado ser candidato ao cargo de deputado federal. Conforme denúncia do MPF, a intenção expressa pelo próprio criminoso era a de retirar, por intervenção violenta, o então candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro, da disputa e, com isso, alterar o resultado eleitoral.

Não é razoável acreditar, sem uma investigação mais profunda, que tais ímpeto e interesse não tenham sido orientados ou canalizados por algum outro agente criminoso. Não é crível que tais requintadas ações, que provam capacidade em sentido amplo, tenham sido elaboradas e executadas por portador, diagnosticado a posteriori, de transtorno delirante persistente. Embora esse criminoso se deslocasse tranquilamente sem restrição pelo país, possuísse ligações e facilidades de acesso a políticos na Câmara Federal e, entre outras relações, militância próxima a figuras relevantes do cenário político nacional, mas que, jamais, tal transtorno tivesse sido percebido ou aflorado naqueles ambientes de pessoas sãs e tão honestas.

A decisão judicial proferida com base em laudo pericial que diagnosticou o criminoso como portador de transtorno delirante persistente não pode ser estendido a investigadores e a toda sociedade brasileira. Nesse caso, tal diagnóstico só se aplica exclusivamente ao próprio criminoso. E esse efeito, também, não pode ser utilizado para blindar avanços de novas e autônomas investigações que, dessa forma, tornariam o crime circunscrito a apenas uma pessoa, que foi decretada intangível.

O caso Adélio Bispo de Oliveira não pode ser um arquivo secreto e, nessa medida, indisponível. É imperioso haver uma investigação profunda e com condições suficientes de autonomia para responder as diversas perguntas que angustiam, por óbvio, a vítima, no caso o Presidente da República e a própria Nação, por extensão.

O atentado praticado atingiu a um deputado federal em curso de mandato e, portanto, é obrigação inegociável da Câmara Federal, visto que as respostas a esse caso são insuficientes e no mínimo controversas, instituir uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), para apurar fielmente essa trama, no exato molde da proposta pelo deputado federal Márcio Labre – PSL – RJ, sobretudo porque o pretenso assassino havia sido registrado no sistema de visitantes da Câmara Federal no dia do atentado.

Carlos Dias.

Sobre o Colunista

Carlos Dias

Carlos Dias

60 anos, casado e dois filhos. Analista político. Especialista em Política e Estratégia pela Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra. Escritor, Jornalista e Filósofo independente. Membro Honorário da Academia Brasileira de Filosofia.

4 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Esse caso não pode passar em branco.
    Há muitos pontos inexplicados.

    Absurdo demais o sigilo dos advogados não ter sido quebrado.
    A história do nome do assassino dando entrada na Câmara, por exemplo, quem investigou ali? O que foi descoberto?

  • Não só ele como todo o povo brasileiro quer saber sobre o lamaçal que está vivendo, com exceções incríveis, inimagináveis etc.etc
    Não podem ser investigados os inúmeros celulares dele e dos advogados, mas o do PTESIDENTE DA REPÚBLICA PODE? E vem o Presidente da OAB afirmar que sim, mas que no caso dos advogados nåo! Não sou filiado a nenhum partido, apenas cidadão que não engole toda essa sujeira que vem sendo empurrada goela abaixo dos brasileiros. O deslinde desse caso é questão de segurança nacional. Concordo e gênero,número e grau com a indignação e seu não aceite do ‘resultado’ da investigação,mas,,,,quem sou eu um simples brasileiro de coração?

  • Virem a página, pelo amor de Deus. É constrangedor ver vcs tentando plantar uma narrativa acerca do atentado do Adélio. Carlos Dias, parabéns pela sua carreira como analista político e filósofo, mas me parece que o senhor não é investigador profissional. Esse papel cabe a PF, que por mais de uma vez concluiu que esse maluco agiu sozinho. Por que não engolimos isso e seguimos em frente? A mesma PF hoje está deflagrando operação contra os inimigos do Presidente. Curioso que nesse caso vcs não questionam a atuação da Polícia Federal, não é? A PF é séria nos dois casos, mas vocês só acreditam no que corrobora com uma narrativa pré-estabelecida na cabeça de vocês. Terça Livre: a imprensa tradicional me incomoda por estar toda hora caçando picuinhas a respeito do Governo, nisso concordo com vcs. Mas o que eu encontro aqui não é muito diferente, só que de sinal trocado. Não tem como levar a sério o jornalismo baba ovo e chapa branca de vocês. Mas acho que o Alan Santos está bem satisfeito com seu terninho, morando muito bem em Brasília, fumando seu cigarro e se achando o novo Paulo Francis. Pelo amor de Deus, Paulo Francis acharia patético esse trabalho de assessoria de imprensa oficial do Governo..

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...