Afiliada da Rede Globo terá que pagar indenização por reportagens caluniosas

tv morena


O site Jornal da Cidade On Line informou que uma afiliada da Rede Globo do Mato Grosso do Sul foi condenada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) a indenizar o engenheiro Luiz Eduardo Aurichio Bottura por dano moral.

Diz a matéria do site:

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) condenou a TV Morena, afiliada da Rede Globo em Mato Grosso do Sul, ao pagamento de indenização por dano moral, no valor de R$ 40 mil, que corrigidos desde 2009, quando ocorreram os fatos, mais 10% de honorários, chega a R$ 105 mil, ao engenheiro Luiz Eduardo Aurichio Bottura pela publicação de reportagens que o acusavam de uma série de crimes que não cometeu.

Segundo consta na ação, a TV Morena publicou matérias baseadas em informações obtidas junto ao site da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul sem comprovação da veracidade dos dados divulgados. Além disso, a reportagem publicada no site da Polícia Civil do Estado indicava que as informações tinham sido obtidas com um assessor de comunicação do município de São Paulo (SP), identificado como Cleinaldo Simões.

Conforme a decisão do TJSP, a gravidade está na ausência de comprovação dos fatos por parte da TV Morena, demonstrando atuação profissional irresponsável.

A emissora também não fez uma matéria para amenizar, desmentir as informações inverídicas ou mesmo conferindo direito de resposta a Eduardo Bottura, que a procurou para desmentir as alegações.

A matéria foi publicada no dia 8 de julho deste ano: clique aqui para conferir o conteúdo na íntegra.

Sobre o Colunista

Ricardo Roveran

Ricardo Roveran

Estudante de artes, filosofia e ciências. Jornalista, crítico de arte e escritor. Escrevo por amor e nas horas vagas salvo o mundo.

Twitter: @RicardoRoveran

4 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Essa é uma das “vantagens” para o público sobre a mídia tradicional corporativa: elas pode ser PROCESSADAS JUDICIALMENTE caso cometam algum engano e/ou soltem Fake News. E quanto às mídias “alternativas” como Jornal da Cidade On Line ou o próprio Terça Livre? E quanto à polêmica dos PERFIS APÓCRIFOS do Jornal da Cidade On Line, ficaram calados? Vocês escrevem o que quiserem sem muitas responsabilidades e/ou consequências, não é mesmo? Mas isso está mudando pois, se vocês não tomarem cuidado com o que publicam, as Agências Anti Fake News podem jogar a reputação de vocês na LATA DO LIXO! 😉 KKKKKKKKKKK! 😀

  • A Maria com certeza não sabe (ou finge não saber) que o Terça Livre tem CNPJ, se ele tem CNPJ, ele tem obrigações e deveres IGUAIS aos da mídia tradicional. E mesmo se não tivesse CNPJ, NINGUÉM está acima da lei, se algum site, blog, youtube, instagram, etc, sendo pessoas jurídicas ou pessoas naturais, fizerem algo como uma fake news, ela pode ser processada judicialmente por aquele que se sentiu lesado pela publicação, não é necessário uma agência pra “ficar de olho”. Estuda direito antes pra não passar vergonha na internet viu?

  • @Thyani , ter CNPJ, na prática, não quer dizer NADA ou quase nada. Até empresas, micro empresas e micro, mini empresários, autônomos de má-fe tem CNPJ. Você é que precisa estudar Direito e/ou ter maior visão de mundo e largar de ser inocente/ignorante. 😉

  • @Maria você mesma falou no seu primeiro comentário que a mídia tradicional poderia ser processada judicialmente e blogs como o Terça Livre ou o Jornal da Cidade Online não caso cometam fake news. Se você estuda direito como você fala, de onde você tirou isso? Qual lei trata de assunto? Quem está acima da lei e por quê? Qual argumento jurídico pra isso? Qual é a diferença jurídica que um veículo de mídia tradicional e um grupo de internet tem?
    Você é uma analfabeta funcional e desonesta, que distorce totalmente o que eu falei, tentando argumentar algo que não sabe.