As redes sociais a serviço da censura



O acesso à Internet não é sobre conforto, é um direito humano básico, de acordo com a ONU. Um direito constantemente violado. A ONG Access Now, que defende o acesso aberto à Internet, estima que em 2016 mais de 50 cortes deliberados ocorreram em todo o mundo. Este número duplicou em comparação com 2015.

O cartão de liberdade na Internet de acordo com a Freedom House.

No continente asiático, a China, “a grande muralha da Internet”, que possui o mais complexo sistema de censura.

Segundo a ONG Freedom House, é o pior país em termos de direitos na Internet. À vista dessa organização: legislação recente que pune sete anos de prisão a circulação de rumores nas redes sociais.

Na Coréia do Norte, esse recurso tão desejada é uma realidade. O Comitê para a Proteção dos Jornalistas lembra que, neste país, apenas um punhado de poderosos pode se conectar à rede global.

Métodos antigos e novas ferramentas

Na América Latina, Cuba ganha o prêmio de censura na Internet. Esse não é um desafio real, já que o acesso já é muito limitado, devido à implantação da rede indigente. Twitter funciona mal ou não em todos os momentos. Apenas 25% dos cubanos usam esse serviço.

Na Bolívia, casos de censura na Internet são raros. No entanto, o país votou contra a resolução da ONU permitindo que o acesso à web se torne um direito fundamental.

Na Venezuela, por outro lado, os usuários da Internet enfrentam três grandes dificuldades: a conexão lenta, a censura da mídia internacional on-line, em nome da “estabilidade da pátria” e a falta de pluralidade . Muitos meios de comunicação estão sob controle do estado. Além disso, alguns observadores suspeitam que o governo venezuelano foi responsável pelo colapso da rede durante as eleições parlamentares de dezembro de 2015 . Neste país, 40% dos habitantes não têm acesso à Internet.

Redes sociais a serviço da censura

Enquanto em vários países essas redes são alvo da legislação liberticida, elas também podem ser cúmplices. De acordo com Repórteres Sem Fronteiras, o Facebook está fazendo parcerias com alguns países – como a Síria e a Turquia – para suprimir o conteúdo jornalístico.

O Twitter, por sua vez, usa sua ferramenta de gerenciamento de conteúdo [para proibir] o acesso a uma conta ou a um tweet.

Por: : Raul Holderf Nascimento

Colunistas

Guilherme Galvão VillaniGuilherme Galvão Villani

Mariliense. Gosto pela Administração, Contabilidade e Finanças. Atu...

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...