Bolsonaro comenta decisão do TSE sobre disparos no WhatsApp

Bolsonaro 29


Agência Brasil

Ação pedia para investigar impulsionamento em massa de mensagens

O presidente Jair Bolsonaro comentou ontem (26/9) uma decisão do ministro Jorge Mussi, corregedor-geral do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que negou diligências para investigar um suposto impulsionamento ilegal em massa de mensagens pelo aplicativo WhatsApp.

O TSE apurou e a decisão saiu hoje. Hoje, o TSE decidiu que não houve disparo em massa de Whatsapp pelo candidato Jair Bolsonaro. Então, ponto final“, afirmou o presidente durante sua live semanal no Facebook. Ele estava acompanhado de Ysani Kalapalo, mulher indígena fundadora do Movimento Indígenas em Ação.

A ação contra o presidente havia sido formalizada  pelo Partido dos Trabalhadores (PT), por abuso de poder econômico, com base em uma série de reportagens publicadas pelo jornal Folha de S. Paulo sobre o assunto no ano passado. A decisão ainda passará por julgamento do plenário do TSE.

– Live de quinta-feira com o Presidente e a indígena Ysani Kalapalo, do Parque do Xingú (26/09/2019). Temas da semana!. Link no YouTube: https://youtu.be/wgITBQUDEQo

Publicado por Jair Messias Bolsonaro em Quinta-feira, 26 de setembro de 2019

Em outubro de 2018, em meio à campanha eleitoral, a Folha de S. Paulo publicou uma reportagem denunciando que empresários teriam comprado pacotes de impulsionamento em massa de mensagens pelo WhatsApp para favorecer a campanha de Bolsonaro e prejudicar o principal adversário, o então candidato petista Fernando Haddad. A prática, segundo a reportagem, poderia caracterizar doação de campanha por empresas, o que é vedado pela legislação eleitoral.

Na petição feita ao TSE, a coligação do PT pedia a quebra dos sigilos bancários, telefônicos e telemáticos dos sócios das empresas denunciadas na reportagem, entre elas a AM4, que prestou serviços à campanha para a chapa do então candidato à presidente Jair Bolsonaro e seu vice Hamilton Mourão. Os pedidos foram todos negados pelo ministro Jorge Mussi, que ressaltou não haver provas sobre o envolvimento das pessoas e da empresa citadas na ação.

As provas materiais (…) esclarecem os fatos e apontam para a não participação da AM4 em qualquer esquema de disparos em massa pelo WhatsApp. Por outro lado, houve a aprovação das contas dos candidatos investigados (PC 0601225-70.2018.6.00.0000, relator Ministro Luís Roberto Barroso, sessão em 4.12.2018, já transitada em julgado)“, diz um trecho da decisão. Ainda segundo o ministro do TSE, sem indícios de irregularidades, as diligências de quebra de sigilos poderiam configurar uma violação de prerrogativas constitucionais das pessoas envolvidas na denúncia.

Se não há sequer indícios da contratação de disparos pela AM4, não têm sentido as diligências requeridas em relação à empresa oficial da campanha, bem como em relação às demais empresas citadas pela representante. Incorreria a Justiça Eleitoral, sem dúvida, no constrangimento ilegal das prerrogativas constitucionais dos cidadãos e das empresas envolvidas na reportagem se concedesse as requisições“, acrescenta.

Durante a live, Jair Bolsonaro voltou a classificar a denúncia como fake news. “Então houve uma fake news da Folha e depois deu trabalho ao TSE. Agora, tinha que ter uma punição para o PT, tinha que ter uma punição para a Folha de S. Paulo, os caras não podem publicar as coisas, é comum isso daí“, afirmou.

Sobre o Colunista

Ricardo Roveran

Ricardo Roveran

Estudante de artes, filosofia e ciências. Jornalista, crítico de arte e escritor. Escrevo por amor e nas horas vagas salvo o mundo.

Twitter: @RicardoRoveran

4 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Este é um resumo ralo de uma estória bem mais nebulosa.
    A Folha de São Paulo , este jornal que já teve um bom nome no passado e hoje não passa de um pinico , aquele objeto cujo conteúdo todos sabem o que é , bem voltando a Folha , ela tinha uma preferencia clara e declarada pelo Haddad , porque era da esquerda e do PT. Então inventou uma estória que havia gente paga para promover o Bolsonaro nas redes sociais. Na hora ela foi contestada , mas reagiu dizendo que nos próximos dias entregaria os nomes de gente com muito dinheiro que financiaram a ação pró-Bolsonaro . Estes nomes nunca apareceram até hoje , mas ficou no ar a acusação da Folha . E não se desmanchou no ar como deveriam ser todas as mentiras . Esta bobagem andou até chegar ao TSE, que pôs ordem nas coisas. E a Folha de São Paulo ? Há muito deixou de ter credibilidade , para fazer uma defesa insana dos candidatos de esquerda , e segue a risca um ditado que ela própria usava nas suas campanhas publicitária : ” É possível mentir muito dizendo meias verdades”.

  • Quando uma notícia tem com fonte de publicação o Folha de São Paulo, no meu entendimento, não tem credibilidade. Esse é o respeito que esse jornal fuleiro adquiriu ao longo do tempo à era PT.

  • Não é “ponto final“! Se o Bolsonaro continuar conivente com a onda gigantesca de Fake News da Direita e Extrema-Direita, seus PRÓPRIOS APOIADORES (incluindo seus próprios filhos) irão AFUNDÁ-LO! Será conhecido como “O GOVERNO DAS FAKE NEWS/MENTIRAS“. 😉 KKKKKKKKKKKKKKKKKK! 😀

Blog Authors

Guilherme Galvão VillaniGuilherme Galvão Villani

Mariliense. Gosto pela Administração, Contabilidade e Finanças. Atu...

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...