MundoNotícias

Candidato à presidência da Catalunha tem prisão preventiva decretada

Um juiz do Tribunal Supremo espanhol decretou a prisão preventiva do candidato à presidência da Catalunha, Jordi Turull, e outros quatro separatistas acusados de rebelião por seu papel na fracassada declaração de independência da região espanhola.

Além de Turull, que não poderá assistir no sábado à segunda votação prevista sobre sua candidatura, o juiz Pablo Llarena decretou a prisão preventiva da ex-presidente do Parlamento catalão, Carme Forcadell, e de outros três ex-ministros do Executivo catalão.

A medida respondeu ao “grave risco de fuga” dos acusados, segundo o Supremo, diante da dura pena prevista pelo crime do qual são acusados: até 30 anos de prisão.

Outra líder separatista, Marta Rovira, convocada nesta sexta-feira para se apresentar ao Supremo em Madri, ignorou a citação e anunciou por carta que deixará a Espanha, seguindo os passos de outros seis independentistas que foram para o exterior, entre eles o ex-presidente Carles Puigdemont, instalado na Bélgica.

Com estas novas detenções, chega a nove o número de separatistas em prisão provisória, relacionada com a tentativa de secessão da Catalunha, em outubro passado.

Llarena confirmou nesta sexta-feira a denúncia contra o núcleo duro dos separatistas. Treze deles tiveram confirmada a acusação de rebelião, entre eles Turull.

O magistrado, que instrui o caso por tentativa de secessão unilateral da Catalunha, também reativou uma ordem europeia de captura contra Puigdemont e quatro ex-membros de seu gabinete, e emitiu uma ordem internacional contra Marta Rovira, que estaria na Suíça, segundo os meios de comunicação espanhóis.

Fonte: Agence France-Press

Ver mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close