Categoria: Leonardo Faccioni

De que serve uma família real?

Por Leonardo Faccioni | “De que serve uma família real?”, pergunta-nos um consulente. Tem em mente, é claro, aquela primeira objeção que nossa era calculista levanta: a de que sustentar reis ou imperadores oneraria as receitas públicas. Objeção desmentida amiúde: diversas são as obras que se encarregam de demonstrar, comparando países modernos e equivalentes em […]

Mais Detalhes

Quatorze anos de PT: ponto de mutação

Por Leonardo Faccioni | O próximo presidente brasileiro, ao receber a faixa, herdará uma bomba relógio; ao subir a rampa planaltina, entrará em um mausoléu de reputações. [Quatorze] anos de petismo balcanizaram o Brasil. Há cheiro de pólvora no ar em todas as direções. Uma faísca basta para que tudo vá pelos ares: é a […]

Mais Detalhes

“Contradictio”

“Por natureza, toda esquerda é libertária: adora libertar as balas dos tambores de seus revólveres. Que seus dissidentes insistam em cruzar a trajetória dos disparos é uma infeliz coincidência – nada que macule os esforços da utopia.” — Leonardo Faccioni

Mais Detalhes

Caminhos para a maioridade (II): rumo ao Senado, ressurge a questão da constitucionalidade

Redução da maioridade penal a caminho do Senado: seria uma proposta materialmente inconstitucional? por Leonardo Faccioni | Com a aprovação em segundo turno pela Câmara dos Deputados, hoje, da proposta de redução da maioridade penal para quem cometa crime hediondo, a questão passará ao exame do Senado Federal, onde, tudo o mais constante, enfrentará outras duas […]

Mais Detalhes

PT, impeachment, golpismo e democracia: afinidades eletivas

Por Leonardo Faccioni | Para o PT, o processo de impeachment, autorizado pela Constituição Federal — uma constituição formal e materialmente democrática — e disciplinado por lei que a Constituição recepcionou, constitui “golpe contra a democracia” desde o instante em que os alvos do impeachment passaram a ser de seu partido. Como pode? Desde sua fundação, […]

Mais Detalhes

Muito além do crime

Por Leonardo Faccioni | Acusar petistas de corrupção (o tipo penal previsto pelo texto legal) pode funcionar para fins eleitorais (há controvérsias), e seguramente corresponde à realidade, mas é inexato e insuficiente. Corruptos sempre os houve e sempre haverá — ainda que nunca antes vistos em tamanhos volume e desfaçatez. A diferença específica do petismo […]

Mais Detalhes