fbpx

Em entrevista nos EUA, Petra Costa diz que Bolsonaro incentiva invasão de terras indígenas e que Amazônia está a ponto de ‘virar uma Savana’

Foto: Reprodução PBS
 


A diretora do documentário “Democracia em Vertigem”, Petra Costa, concedeu uma entrevista ao canal internacional dos Estados Unidos, PBS, que foi ao ar em 1º de fevereiro. 

O nome de Petra está entre os assuntos mais comentados do Twitter nesta segunda-feira e os brasileiros estão indignados com o teor da entrevista. A hashtag “PetraCostaLiar” ocupa os trending topics.

Petra Costa disse à PBS que para se eleger o presidente Jair Bolsonaro tirou proveito das altas taxas de homicídio do Brasil prometendo matar os criminosos e que as taxas de morte por policiais cresceram 20% por conta disso.

O presidente também teria vencido a corrida presidencial devido à “onda evangélica” que é contra os direitos dos gays, feminismo e que faz distinção da cor das pessoas. 

“Todas essas ideias de extrema-direita estão crescendo na sociedade brasileira”, afirmou Petra, dizendo que Bolsonaro também carrega essa bandeira. 

Ainda segundo ela, “desde que [Bolsonaro] foi eleito o índice de mortes causadas pela polícia cresceu 20% e o Estado do Rio de Janeiro tem mais mortos que os EUA, geralmente ‘pessoas de cor’”. Petra também disse que existe um “genocídio” de negros todos os anos.

A diretora do documentário que exalta Lula e o PT, indicado ao Oscar, ainda afirma que Bolsonaro incentiva fazendeiros e invadirem terras indígenas e a queimar a Floresta Amazônia, que chegou no ponto em que “pode virar uma Savana a qualquer momento”.

Petra Costa também utilizou-se da narrativa da esquerda de que Bolsonaro foi eleito por fake news. “De 2 a 3 dias antes das eleições, Bolsonaro cresceu exponencialmente e o PT começou a receber mensagens do tipo: ‘É verdade que a vice-presidente do Haddad está fazendo rituais satânicos? É verdade que ela tem um bebê do demônio? Coisas deste nível surreal que os brasileiros acreditavam e mudavam de voto no último minuto devido à fake news”.

Vale destacar que Petra Costa é filiada ao PT desde 1997 e doou cerca de 400.000 reais a políticos da sigla desde 2010. Ela é uma das herdeiras da construtora Andrade Gutierrez, uma das principais empresas envolvidas no “Petrolão”.

A construtora perdeu seu status de grau de investimento da Fitch Ratings em meados de 2015, pouco antes da diretora começar a acompanhar Dilma.

Em 2016, os executivos da Andrade Gutierrez revelaram em depoimento à Procuradoria-Geral da República que as construtoras responsáveis pela obra da Usina Hidrelétrica de Belo Monte combinaram o pagamento de uma propina de R$ 150 milhões, 1% do valor que elas iriam receber pelos contratos firmados.

Veja o trecho da entrevista:

(Com informações Veja e Congresso em Foco)

Sobre o Colunista

Bruna de Pieri

Bruna de Pieri

Jornalista e católica.

8 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Mentira tem perna curta dona Petra, como todo o PT, mais cedo ou mais tarde a casa sempre cai, pois mentiras e calúnias não se sustentam e logo logo vai ser desmascarada publicamente.

  • Essa canalha da Petra é uma imbecil e farsante! Uma sujeita que merece todo o nosso desprezo! Onde já se viu fazer um “documentário” mentiroso, cheio de inverdades?

  • Lixo de pessoa, enriqueceu com a roubalheira do petrolão, com propina e benefícios a sua construtora, e vem falar que o nosso Presidente que esta matando gente e destruindo a Amazônia? Que tipo de psicopatia tem essa maluca? Só pode ser um culto ao demônio, esse tipo de maluco só pode ter saído do inferno.

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...