Notícias

EM GENEBRA, EX-PRESIDENTE TENTA 'CAVAR' REUNIÕES EM ORGANISMOS INTERNACIONAIS

Genebra – A ex-presidente cassada Dilma Rousseff está em Genebra, na Suíça, na companhia do antigo aspone para assuntos internacionais aleatórios Marco Aurélio ‘Top-Top’ Garcia, tentando ser recebida por autoridades ou qualquer pessoa que exerça cargo minimamente importante. Neste sábado (11), a dupla jantou aos cochichos com Paulo Sergio Pinheiro, um professor aposentado da PUC-SP ligado ao PSDB e a FHC que integra, com outras sete pessoas, uma comissão de monitoramento de denúncias de violação de direitos humanos na Síria.

O jantar de Dilma com Top-Top Garcia e Pinheiro ocorreu no “Trois Verres”, um dos restaurantes mais chiques de Genebra, localizado na Rue Hornung, com direito a vinhos caros. No “Les Trois Verres”, um prato pode custar até 295 reais, segundo o site do restaurante. Nem Dilma e nem a sua assessoria divulgaram esclarecimentos sobre quem financia mais esse passeio à Europa. Há poucas semanas, ela fazia uma longa viagem pelo continente quando teve de retornar em razão do falecimento de Marisa Letícia, mulher de Lula.

O papel de Top-Top Garcia, nessa viagem de Dilma, é tentar que ela seja recebida por qualquer autoridade. Ela conseguiu ser recebida na OIT (Organização Internacional do Trabalho) com certa curiosidade. A assessoria da entidade nem sequer soube definir a natureza da visita, nem tampouco o teor de eventuais conversas.

Com ajuda de Pinheiro, Dilma conseguiu fazer discurso em um festival sobre direitos humanos, constrangendo a plateia com um filmete sobre “realizações” do seu governo. Criticou o presidente Michel Temer, mas não tomou a iniciativa de defender-se e aos demais petistas das múltiplas denúncias de corrupção em seu governo e no governo de Lula, seu antecessor.

Indagada por jornalistas brasileiros, Dilma negou que tenha recebido propina da Odebrecht, mas executivos da empreiteira Odebrecht confessaram ter pago propinas de cerca de R$150 milhões para financiar sua campanha de reeleição. Além de irregularidades variadas, Dilma também é acusada de tentativa de obstrução da Justiça em dois casos: quando nomeou Lula como ministro da Casa Civil com o objetivo de conceder-lhe imunidade em relação ao juiz Sérgio Moro, de primeira instância, e quando nomeou um ministro para o Superior Tribunal de Justiça, sob a condição de ajudar a livrar petistas e empreiteiros como Marcelo Odebrecht da cadeia.

DP

Ver mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close