Emissão de carteiras de trabalho a refugiados venezuelanos chega a quase 70% em 2018

Foto: Agência Brasil


O ano de 2018 teve o maior número de carteiras de trabalho emitidas para refugiados. Ao todo, foram 36.384 CLTs. Do montante, quase 70% destinadas para imigrantes venezuelanos. Outras 19% para haitianos e 4,8% a cubanos.

Além de ser o maior registrado desde 2010, o número representa quase a metade do total de 76.878 carteiras emitidas entre 2010 e o ano passado. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (22) pelo Ministério de Justiça e Segurança Pública e faz parte do relatório anual do Observatório das Migrações Internacionais.

Conforme o levantamento, dos refugiados que estavam no mercado formal, mais de 90% tinham jornada de trabalho superior a 44 horas semanais. A média salarial dessa parcela de trabalhadores é de 1 salário mínimo e meio.

A pesquisa mostrou também que quase 50% dos trabalhadores imigrantes que foram registrados em 2018, tinham nível de ensino médio completo.

A movimentação no mercado formal dos imigrantes no Brasil, ocorreu principalmente nos setores de produção de bens e serviços industriais e serviços vendedores do comércio em lojas e mercados. Embora a maior parte das carteiras de trabalho tenham sido destinadas aos venezuelanos, os haitianos continuam a liderar o emprego formal entre os imigrantes do Brasil.

Eles estão no topo de admissões em 2018, com 27.200 contratações, seguidos de venezuelanos, paraguaios, argentinos e bolivianos. No entanto, de acordo com o MJSP há uma forte tendência de a população de venezuelanos superar os haitianos.

Sobre o Colunista

Bruna de Pieri

Bruna de Pieri

"Cheguei mesmo à conclusão de que escrever é a coisa que mais desejo no mundo" (C.L.) | Jornalista, Católica, 22 anos,

1 Comentário

Clique aqui para comentar

  • Por que para estrangeiros é facilitado o emprego? principalmente haitiano, vejo isso a anos, aqui no interior de São Paulo, eles tem preferência nas vagas das agencias de emprego, por acaso os empresários ganham o que com isso? visto que os salários nosso caí a cada dia, pois eles aceitam trabalhos por um salário baixo em serviços de risco a saúde e os sindicatos sabem disso mas nada falam. A nossa qualidade de vida caí a cada dia mais, estamos a ponto de trabalhar por comida apenas tudo porque eles se sujeitam a isso e nos obriga automaticamente a ganhar cada vez menos.

Blog Authors

Alexandre PachecoAlexandre Pacheco

Alexandre Pacheco é Professor de Direito na FGV, Advogado, Palestra...

Guilherme Galvão VillaniGuilherme Galvão Villani

Mariliense. Gosto pela Administração, Contabilidade e Finanças. Atu...

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...