EX-GERENTE DE REFINARIA DA PETROBRAS É INDICIADO PELA POLÍCIA FEDERAL - Terça Livre TV
Notícias

EX-GERENTE DE REFINARIA DA PETROBRAS É INDICIADO PELA POLÍCIA FEDERAL

A Polícia Federal indiciou o ex-gerente da Refinaria de Abreu e Lima (RNEST) Glauco Legatti por corrupção passiva e organização criminosa. Abreu e Lima, perto do Recife, foi o primeiro alvo da Operação Lava Jato no âmbito da Petrobras. A investigação apontou um superfaturamento bilionário.

O indiciamento de Legatti se refere a ‘crimes de corrupção passiva, por ter recebido vantagem indevida alcançada pela Galvão Engenharia, em razão da sua função como gerente da RNEST, e de pertinência a organização criminosa’.

O lobista Shinko Nakandakari, apontado como operador de propinas, e o executivo Erton Medeiros Fonseca, ligado à Galvão Engenharia, também foram indiciados – pelos crimes de corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Legatti procurou a força-tarefa da Lava Jato no início de novembro para prestar ‘esclarecimentos de forma espontânea’, após ter sua tentativa de delação premiada frustrada. O ex-gerente da refinaria confessou ter recebido propina da Odebrecht e de Shinko Nakandakari e entregou documentos que comprovariam suas declarações.

 “Glauco Legatti, em sua reinquiricão, confessou espontaneamente o recebimento de recursos alcançados por Shinko Nakandakari. Afirmou que, por volta de 2013, Shinko lhe entregou uma caixa de whisky com dinheiro dentro; que a oferta em questão estava associada a obtenção de benesses em favor da Galvão Engenharia no âmbito do projeto RNEST. Que a entrega de dinheiro ocorreu mais duas vezes, no mesmo modus operandi (dentro de caixa, em um hotel). Nega, contudo, ter recebido o total informado por Shinko (R$ 400 mil), afirmando que recebeu um valor aproximado de R$ 120 mil, a única aparente discrepância com relação ao relato do colaborador Shinko”, afirma o documento.

“Os pagamentos teriam ocorrido até 2014, e teriam totalizado US$ 7 milhões. Glauco relatou, ainda, suas atuações em favor da Odebrecht, e que teriam consistido em contrapartida pelos pagamentos”, aponta o despacho subscrito pela delegada federal Renata da Silva Rodrigues, que cita o executivo Rogério Araújo, ligado à Odebrecht.

http://www.diariodopoder.com.br/noticia.php?i=71784100184

Ver mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Close