Filipe Barros é absolvido de representação movida pelo PT



O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados absolveu o deputado federal Filipe Barros (PSL) de representação por quebra de decoro movida pelo PT.

O partido moveu a representação contra Barros com a alegação de que o deputado teria quebrado o decoro em reunião de novembro da CPI mista das Fake News, quando teria proferido, “de forma inadmissível e ofensiva, expressões que maculam a honra do PT, bem como de seu líder no Senado, Humberto Costa”, segundo o requerimento.

Naquele dia, quem prestava depoimento era o jornalista Allan dos Santos, do Terça Livre. Filipe Barros disse que havia uma íntima relação entre o PT e a organização criminosa PCC.

Nesse momento, foi interrompido pelo senador Humberto Costa (PT-PE), que anunciou que processaria o deputado, que então fez referências ao apelido Drácula, suposta alcunha do senador em planilhas de propina da Odebrecht, e chamou Costa de “vampirão” e “sanguessuga”.

A votação estava prevista para ontem, mas acabou adiada por causa do início do período de votações no Plenário. Hoje, a comissão optou pela absolvição de Barros.

Em entrevista com Ítalo Lorenzon do Terça Livre, o deputado disse estar aliviado com a decisão. “Confio nos integrantes da Comissão de Ética da Câmara e sei que eles sabem separar aqueles casos que são respaldados pela imunidade parlamentar, como era o meu caso, em relação a outros que sim, merecem ser analisado pela comissão”.

Ouça à íntegra da entrevista:

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...