Governo federal investe R$ 1,4 bilhão na transposição do São Francisco



O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) informou, em nota divulgada nesta terça-feira (12), que o governo federal está destinando R$ 144 milhões para assegurar a execução de serviços do Projeto de Integração do Rio São Francisco e outras obras que garantirão o abastecimento da população nos estados de Pernambuco, do Ceará, da Paraíba e de Alagoas. Com esses recursos, os investimentos em projetos para reforçar o abastecimento de água no Nordeste somam R$ 1,4 bilhão em 2019.
O montante contabiliza investimentos para operação e manutenção da transposição do Rio São Francisco nos dois eixos do projeto (Norte e Leste), a recuperação de reservatórios considerados estratégicos e outras obras para ampliar a oferta de água na região. As primeiras obras da transposição foram iniciadas em 2007 pelo Exército.

O Eixo Norte é um canal de 400 quilômetros que faz a captação de águas próximo à cidade de Cabrobó (oeste de Pernambuco) para alimentação dos rios Salgado e Jaguaribe, com a finalidade de levar água a reservatórios no Ceará, no Rio Grande do Norte e na Paraíba. No Eixo Leste, o canal, que tem mais de 200 quilômetros, leva água ao Rio Paraíba para abastecer reservatórios em Pernambuco e na Paraíba.

Além de viabilizar o fornecimento de água, a execução das obras gera emprego na região. Em Pernambuco, foram aplicados R$ 24,2 milhões no Ramal do Agreste (Eixo Leste), que emprega 2,6 mil trabalhadores. Só no estado, a obra leva águas do São Francisco “a mais 2,2 milhões de pessoas em 68 municípios”, informa o MDR.

Também este ano, os investimentos somam cerca de R$ 77 milhões no Cinturão das Águas do Ceará (CAC). “A expectativa é que, no primeiro trimestre do próximo ano, a água esteja disponível no Reservatório Jati (…) beneficiando os municípios abastecidos pelo Rio Jaguaribe e a Região Metropolitana de Fortaleza – cerca de 4,5 milhões de pessoas”, diz a pasta.

Já o Canal do Sertão Alagoano totaliza R$ 84,1 milhões de investimentos em 2019. Os recursos visam ao funcionamento de um sistema adutor (transporte da água) com captação no reservatório da Usina Hidrelétrica de Moxotó. De acordo com descrição da pasta do Desenvolvimento Regional, essa estrutura parte do município de Delmiro Gouveia e segue até a cidade de Arapiraca “e atenderá mais de 1 milhão de moradores em 42 municípios alagoanos”.

Na Paraíba, o projeto Vertente Litorânea totalizará R$ 36,3 milhões do ministério em 2019. Esse sistema adutor vai integrar bacias litorâneas com as águas do Eixo Leste do Projeto São Francisco disponibilizadas no Rio Paraíba, após abastecer o Reservatório Epitácio Pessoa, em Boqueirão, na Paraíba. “Quando concluídas, as obras irão beneficiar uma população de 630 mil habitantes, com abastecimento humano e água para irrigação e indústria”, prevê o MDR.

Fonte: Agência Brasil

Sobre o Colunista

Bruna de Pieri

Bruna de Pieri

"Cheguei mesmo à conclusão de que escrever é a coisa que mais desejo no mundo" (C.L.) | Jornalista, Católica, 22 anos,

10 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Agora essas empresinhas de caminhão pipas irão pro buraco. E como quero isso. Chega de escravisar o povo e mamar no governo, canalhas corruptos.

  • Deixe-me adivinhar: os beneficiados nordestinos irão falar que é obra do Lula/Dilma? 😉 Ou seja, se não deixar isso bem claro e, de preferência, também de modo oficial através dos CANAIS OFICIAS DE COMUNICAÇÃO DO GOVERNO, então não vai adiantar nada. Logo, marketing e/ou AGENDA POSITIVA é importante! 😉 KKKKKKKKKKKKKK! 😀

  • Se eu tenho algo que funciona, é a memória.
    Cansei de ver o cachaceiro e a estocadora de vento inaugurando obras da transposição. Era véspera de eleição, os dois corriam lá pra cima e inauguravam sabe-se lá o que para ser notícia no Jornal nacional, vendendo a mentira de que estavam fazendo algo.
    De uma maneira bem simples, foi feito um novo rio com fundo de concreto para levar agua do Rio São Francisco até o coração do sertão . Esta obra era importante para eles, porque precisava de grandes construtoras, aquelas que pagam altas porcentagens da obra para o molusco, mas fazer as coisinhas pequenas que vão no fim por agua na casa do nordestino, essas não foram feitas porque não dava para fazer corrupção no nível desejado.
    É o que está sendo feito agora.
    Me assusta que a turma de comunicação do governo não esclareça que aquelas obras nas quais foram gastas bilhões de reais, só agora estão sendo postas para funcionar com dinheiro pequeno, mas que não foi feito até agora, porque os petistas não ligam para o povo, mas para as obras e os pagamentos por fora, como apartamentos no Guarujá, sítios, apartamentos em frente ao seu e outras delicias.

  • tem que mostrar esta água saindo das torneiras , não só passando por um canal, Bolsonaro tem que ser diferente dos outros.

  • Roberto Luís
    13 de novembro de 2019 às 11:44

    GOSTEI DO QUE O ROBERTO LUÍS DISSE… concordo em gênero, numero e grau.

  • Vi um vídeo onde um canal de concreto vazava e a água se perdia no meio do caminho!
    Que triste!
    Obras típicas de copa do mundo, para puxar votos!

    Elefantes brancos, sem utilidade nenhuma!

    Será que a indústria da seca terá um fim ?

    A PROPAGANDA DO GOVERNO DEVERIA SER :

    FIM NA INDÚSTRIA DA SECA!

    Agora, nenhum político PICARETA poderá valer se da seca no nordeste, para se promover eleitoralmente!

    SEGUNDA PARTE DAS OBRAS:

    Trazer de volta para o Brasil o dinheiro que o pt foi investir em ditaduras socialistas e investir em SANEAMENTO!

    THE END

Blog Authors

Guilherme Galvão VillaniGuilherme Galvão Villani

Mariliense. Gosto pela Administração, Contabilidade e Finanças. Atu...

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...