fbpx

Instituto inglês Imperial College errou todas as previsões sobre Covid no Brasil

hospital de campanha
 


Em 27 de março, a Imperial College, do Reino Unido, divulgou previsão de infectados e mortos pelo novo coronavírus para o mundo. 

Até agosto, no Brasil, seriam 187 milhões de infectados e 1,1 milhão de mortes, dizia o mais pessimista dos cinco cenários do instituto. Ganhou as manchetes, mas era fake. 

Curiosamente, a principal voz do pior cenário da Imperial virou “expert” contratado pelo TSE para ensinar o que é (ou não é) fake news. 

No entanto, quase seis meses depois, os resultados brasileiros estão melhores até que o cenário mais otimista da Imperial College.

A Imperial tem três cenários para estratégias de combate à Covid: “sem intervenções”, “intervenção geral” ou “aprimorada”.

A estratégia drástica (aprimorada), que isola todos e se concentra nos idosos, previa 529 mil mortos no Brasil até agosto. Foram 121 mil, em “números oficiais”.

A Imperial também apresentou outros dois cenários que tratam do momento da adoção das estratégias de forma precoce ou tardia.

Para o Imperial College, se o Brasil atacasse a Covid de forma precoce, seriam 11,5 milhões de infectados. Eram 3,9 milhões no fim de agosto.

Coim informações, Diário do Poder

Sobre o Colunista

Brehnno Galgane

Brehnno Galgane

Graduando em Filosofia pela PUC-Rio, Católico e cultivador de uma narrativa que tenha sentido segundo a forma humana.

Comente

Clique aqui para comentar

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...