Justiça de São Paulo decide rejeitar denúncia contra Lula e Frei Chico por ‘mesada’ da Odebrecht

 


A 7ª Vara Federal Criminal em São Paulo rejeitou a denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) contra o ex-presidente Lula da Silva e seu irmão, Frei Chico, acusados de receberem “mesada” da Odebrecht.

A decisão também se estende a Emilio e Marcelo Odebrecht e ao ex-diretor, Alexandrino de Salles Ramos Alencar, que foram denunciados por corrupção ativa.

O juiz federal Ali Mazloum entendeu que os fatos da denúncia não possuem todos os elementos legais exigidos para a configuração do delito, não havendo pressuposto processual e nem justa causa para a abertura da ação penal.

Para Ali Mazloum, não existem elementos que provam que Lula sabia que Frei Chico continuava a receber os pagamentos sem a contrapartida de serviços, “muito menos que tais pagamentos se davam em razão de sua novel função”, afirma o juiz.

Em outro trecho da decisão, o magistrado pontua que “nada, absolutamente nada existe nos autos no sentido de que Lula, a partir de outubro de 2002 pós-eleição foi consultado, pediu, acenou, insinuou, ou de qualquer forma anuiu ou teve ciência dos subsequentes pagamentos feitos a seu irmão em forma de ‘mesada’ – a denúncia não descreve nem mesmo alguma conduta humana praticada pelo agente público passível de subsunção ao tipo penal”.

Para Mazloum, “a denúncia não pode ser o fruto da vontade arbitrária da acusação, baseada em suposições ou meras possibilidades. A imputação deve ter lastro probatório sério e verossímil”.

Outro ponto destacado é que, considerando o lapso temporal e o período em que os supostos delitos foram cometidos, os crimes de corrupção passiva e ativa já estariam prescritos em relação à Lula, seu irmão e a outros dois executivos da Odebrecht, pelo fato de terem mais de 70 anos e o prazo prescricional ser reduzido à metade.

Em relação ao denunciado não alcançado pela prescrição, o qual supostamente teria participado de um único pagamento das parcelas, a decisão ressalta não existir provas da existência dos fatos a ele imputados.

Não custa fazer a ressalva de que o juiz Mazloum era o preferido de Lula para substituir Cezar Peluso no Supremo em meados de 2012.

O caso

O ex-presidente Lula e seu irmão, Frei Chico, foram denunciados pela Força Tarefa da Lava Jato em São Paulo por corrupção passiva.

De acordo com o Ministério Público Federal, entre 2003 e 2015, Frei Chico recebeu R$ 1.131.333,12 por meio de “mesada” que variou de R$ 3 mil a R$ 5 mil e que era parte de um pacote de vantagens oferecidas a Lula em troca de benefícios do governo federal para a Odebrecht.

Os donos da empresa, Emilio e Marcelo Odebrecht, e o ex-diretor, Alexandrino de Salles Ramos Alencar, também foram denunciados, mas por corrupção ativa.

Sindicalista militante, Frei Chico (que teria sido quem levou Lula ao sindicalismo) iniciou uma relação com a Odebrecht ainda nos anos 90, segundo o MPF.

No início daquela década, estava em curso o Programa Nacional de Desestatização, que sofreu forte resistência dos trabalhadores do setor. Ao todo, 27 químicas e petroquímicas estatais federais foram vendidas.

Como a Odebrecht participava do setor e estava com problemas com sindicatos, o então presidente da companhia, Emilio, quis se aproximar de Lula, que sugeriu contratar Frei Chico como consultor para intermediar diálogo entre Odebrecht e trabalhadores. Também participava das reuniões o ex-executivo da companhia Alexandrino Alencar.

Frei Chico então foi contratado e passou a ser remunerado por uma consultoria prestada para a Odebrecht junto ao meio sindical. Com a eleição de Lula em 2002, a empresa entendeu por bem rescindir o contrato da consultoria prestada por Frei Chico, até porque, na época, a privatização do setor petroquímico já havia se consolidado e seus serviços não eram mais úteis.

No entanto, decidiu manter a para não perder a relação “favorável” com interesses da companhia. Os pagamentos começaram em janeiro de 2003, no valor de R$ 3 mil, em junho de 2007 passaram a ser feitos de R$ 15 mil a cada três meses (R$ 5 mil/mês), e cessaram somente em meados de 2015, com a prisão de Alexandrino pela Lava Jato.

O MPF aponta que, ao contrário do que acontecia com a remuneração pela consultoria prestada por Frei Chico até 2001, a mesada que começou a receber em 2002 era feita de forma oculta, por meio do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, responsável por processar os pagamentos de propina feitos pela companhia.

Saiba mais aqui.

Sobre o Colunista

Bruna de Pieri

Bruna de Pieri

Jornalista e católica.

10 Comentários

Clique aqui para comentar

  • É tanta vergonha, tanta baixaria.
    O p/t poderia ser um grande partido…como acreditar numa pessoa que iludiu tanto o trabalhador!…

    O mal é temporário. Se você crê no mal, ele aparece.
    Jogue-o fora. Ele não vale nada. XÔ 13.

  • Com um Juiz desses nem precisa de advogados de defesa!

    Essa palhaçada só vai servir pra uma coisa: blindar Bolsonaro contra qualquer falsa denuncia que a grande mídia tentar imputar a algum de seus aliados políticos.

    Lamentável..

  • O juiz espera que a corruptos reconheçam firmas, autentiquem documentos, anexem seus documentos tudo conforme a lei, todos identificados para legalizarem os crimes!

    Os juízes mancomunados contra o Brasil!

  • O juiz espera que os corruptos reconheçam firmas, autentiquem documentos, anexem seus documentos tudo conforme a lei, todos identificados para legalizarem os crimes!

    Os juízes mancomunados contra o Brasil!

  • Em um estado onde o PCC governou paralelamente por mais de 20 anos, e que continua sob a “democradura’ socialista tucana, se espera o quê?

  • Não entendi: os delatores da Odebrecht disseram e pagaram ao Frei Chico como propina, mas era por contrato legal???
    Isto tá me cheirando à Armadilha Bisol como o Marcelo colocou nas suas mensagens que a PF pegou.
    Agora o PGR deve enquadrar os delatores por denúncia falsa e reverter a deleção premiada.

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...