LULA NO TRIBUNAL DA ECONOMIA

Yuri Vieira –

Vocês viram o trecho do interrogatório no qual Lula fala de seu encontro com Hugo Chávez em Pernambuco? Eles pretendiam iniciar uma parceria entre a PDVSA e a Petrobrás. Lula diz que era necessária porque havia um “desequilíbrio na balança comercial” entre os dois países. O superávit do Brasil era grande demais, segundo ele, uma situação injusta para um país tão grande diante de um tão “pequenininho”. Ou seja, o então presidente do Brasil desejava um acordo que resultasse em prejuízo, queria que nosso país fizesse negócios desvantajosos, que a Venezuela não retribuísse proporcionalmente ao que recebesse. Tudo não passa da velha teoria da exploração do socialismo-comunismo, segundo a qual a economia seria sempre um jogo de soma zero, isto é, para um ganhar, outro tem de perder. É nisso que dá colocar um sujeito desses no poder. Cego para a verdadeira natureza do mercado e da economia, e de olhos muito abertos para os comparsas com quem compartilha da mesma ideologia assassina (vide a Venezuela hoje), a longo prazo, suas negociatas só poderiam mesmo levar o país para o brejo. No tribunal da economia, Lula já se confessou: está condenado.