fbpx

Movimentos do Centrão por liderança do governo geram desconforto

Plenário da Câmara
 


As especulações envolvendo a substituição do deputado Vitor Hugo (PSL-GO) por Ricardo Barros (PP-PR) na liderança do governo na Câmara geraram desconforto no Executivo, nessa quinta-feira (23/7). Interlocutores da articulação política associam as notícias vazadas à imprensa a um movimento do Centrão pelo posto.

Os governistas, no entanto, não cogitam uma ofensiva contra o Centrão. Consideram que o próprio presidente Jair Bolsonaro vem dando os sinais necessários para assegurar a permanência de Vitor Hugo.

Em caráter reservado, membros do governo avaliam, contudo, que incomodam as especulações. E não negam suas opiniões sobre uma possível substituição de Vitor Hugo. “Não sei o que a liderança ganharia com isso agora”, pondera um interlocutor na Câmara. “Não seria positiva a ida do Ricardo Barros agora”, analisa outra fonte, do Palácio do Planalto.

A análise dos governistas ouvidos é que a liderança desempenha um bom trabalho, em alinhamento ao que cobra Bolsonaro. “Não vejo o que o Ricardo tem a agregar no trato sobre a reforma tributária, por exemplo”, avalia outro interlocutor.

Em comum, todos os governistas avaliam que os movimentos do Centrão são os mesmos que sugerem a saída do ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello. “A ideia nunca foi ele ser permanente. Por enquanto, ele fica, e fica a contento”, sustenta um dos interlocutores.

Assista aos comentários da notícia:

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...