fbpx

“Não quero dar ideia de investigação pra PF”, diz pesquisadora de Harvard no caso The Intercept

 


Em resposta a um tweet do jornalista do Estadão, Pedro Doria, a ativista e pesquisadora Yasodara (Yaso) Córdova disse que não quer “dar ideia de investigação para a Polícia Federal”.

O post debatia se as informações utilizadas na matéria do The Intercept, site que divulgou conversas entre o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro e o procurador Deltan Dallagnol, da força-tarefa da Lava-Jato, foram obtidas por vazamento ou pela ação de um hacker.

“Hoje tem uma quantidade imensa de gente argumentando, na minha TL, que não há hacker, mas um vazamento.

Como alguém, além de Dallagnol e Moro, teriam acesso às conversas entre os dois para vazar é um mistério.

O ‘hacker não existe’ é a versão 2019 do ‘a facada não aconteceu’”, tweetou o jornalista.

Yasodara então pediu para Pedro a chamasse de maneira privada, para que ela pudesse explicar porquê a ação seria vazamento e não hacking.

Alguns internautas começaram a pedir para que a ativista explicasse a situação também a eles. “Não que não quero dar ideia de investigação pra PF”, replicou Yaso. “Vem me convencer que os caras que ‘não conseguiriam’ achar quem mandava ‘mensagem ddos’ vía Zap nas eleições achou rastros de um grupo sofisticado de hackers?”, continuou.

O DDoS (Distributed Denial of Service) é uma derivação de DoS (Denial of Service, ou Negação de Serviço, do português) com diversos atacantes (como computadores ou servidores) que distribuem e coordenam os ataques em um alvo, sobrecarregando todo sistema, e deixando-o fora do ar.

Em um Tweet em sua conta, Yaso demonstra que acha que o hacking seria, na verdade, uma “fanfic”:

“Quem tá escrevendo o fanfic do hacker possivelmente era fã de chaves, os trapalhões e os três patetas?
@NetflixBrasil chegou a hora de fazer essa série “hackers, outrossim, Hue”

Diante disso, é impossível não se questionar: Por quê alguém com possibilidade de colaborar com as investigações da Polícia Federal estaria tentando esconder informações que podem levar ao “autor” dos ataques? Quais seriam estas informações? Como Yaso poderia ter tanta certeza e provar que os ataques não partiram de um hacker?

Sobre o Colunista

Bruna de Pieri

Bruna de Pieri

Jornalista e católica.

26 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Também há de se considerar: se os envolvidos tivessem seguido a cartilha do funcionalismo público eticamente, ou ainda, privadamente (direito de cada um), toda essa lambança teria sido evitado. É como a “a facada”, em Juiz de Fora, que até hoje alguns colocam em dúvida, se o protocolo tivesse sido seguido, possivelmente, a “coisa” não teria ocorrido. Como diz no interior, depois da porta arrombada querem consertá-la. Essa é a sina desse país … Em tempo: o brasileiro acha que é mais esperto que os outros. Agora ficam aí com essas caras de tontos.

  • UM MALANDRO ESQUERDISTA FORASTEIRO TENTANDO INFLUENCIAR A OPINIÃO PUBLICA E QUERER DESMORALIZAR O SÉRGIO MORO , ESSE GRINGO MERECE OS TRATAMENTOS ADEQUADOS AO COSTUME, GLENN ELE NÃO TERÁ VIDA FÁCIL COMO ANTES NA PRAIA , NOS BARES, NOS SHOPPINGS NO BRASIL…ELE TERÁ COM A MESMA INTENSIDADE O RETORNO DA POPULAÇÃO.

  • No entanto, o teor das conversas é muito sério também, o juiz mandando “criar” denúncia anônima (apócrifa) para alguém que parece não tinha as informações alegadas, aliás, até hoje nada sobre os tais bens, parece ser complicado, escolher quais políticos atacar, pode ser “prevaricação”, orientar acusação, que é parte, e não apenas testemunhas também é grave, ora, O governo deveria ser o primeiro a tentar corrigir isso e o Ministro se explicar, o caso dos vazamentos é outro papo, pois, a lava jato, também vazou muita coisa e nada foi apurado, até mesmo decisões de delações em sigilo dos juízes, quem vazava?

  • O que seria uma mensagem ddos no zap? DDOs quando acontece tira zap, instagram, fb, yt qualquer coisa do ar, pq sobrecarrega o servidor. No brasil de uma decada pra ca, virou modinha pagar de intelectual e falar sobre o que nao conhece. Aqui aconceu o contrario do ditado “os sabios tomarão o poder”, aqui gente burra é a regra. A verdade é que essa ativista não tem a minima noção do que ta falando e fica “pagando” de intelectual, usando termos que nunca entendeu. O nosso pais não tem tecnologia nem knowhow pra combater cyber attacks, isso é basico. E querem saber de onde vieram os ataques? Basta rastrear o grupo que sobe as tags de esquerda no twitter, a maioria dos ips não são do brasil. É o mesmo pessoal.

  • se para roubar eles conversavam entre si! como vai prender sem se conversar? a comunicação é o que faz da certo tanto o roubo quanto a prisão!!! por falta de comunicação varias guerras foram perdidas contra o Crime organizado! o narcotráfico tem muito dinheiro e eles não aceitam ordem de ninguém!!! O Moro esta prendendo gente grande e fechando o cerco contra o tráfico! você realmente acha que não vai haver represália da parte deles?

  • tirar a mascara desta quadrilha terrorista travestida de governo, afundando o eterno estado de coisas colonial brasileiro, derrubar os véus todos, da “esquerda” à “direita”, que, como disse um dos seus serviçais, não passa de sinal de trânsito, é uma necessidade sine qua non para começarmos algo quase impossível: passar este paizinho de bosta a limpo!

  • as conversas falam, dizem, por si, no mais, é cinismo, de quem pede ou quer mais prova, coisa da subgente brasileira, suja “gente” brasileira, como registrado na maioria dos “comentários” em torno desta fatídica inigualável seboseira de alma, que infesta a colônia!

  • Sérgio Moro, a partir do momento em que aceitou o Ministério já sabia o que teria pela frente, assim como o Presidente Bolsonaro também, uma quadrilha de terroristas que no passado cometerá crimes das mais diversas categorias, roubos, mortes, assaltos etc. Se instalou no Brasil através da má política onde se apresentaram a favor dos pobres todos com discursos bem elaborados, assim entraram como um câncer pela porta da frente no cenário político Brasileiro, a partir daí vem fazendo os mesmos crimes do passado, porém integraram o poder executivo e legislativo ao seu favor bem como a cúpula da justiça (STF), é manipulados ao seu favor a extensão dessa célula criminosa, abrange dentro e fora do país e no atual momento estão se vendo incomodados pela atual gestão política e assim revidam deliberadamente, pois ainda que pareça que muito já se descobriu nas investigações, isso e só a ponta do iceberg.

  • A questão não é os atos de governos anteriores, mas sim a prática ilegal para julgar e condenar quem quer que seja, um juiz tem por obrigação avaliar as provas apresentadas sem interferir nos andamentos das investigações dos acusadores ou dos defensores, se , eu digo se os áudios vazados forem verídicos, isso caracteriza crime, falta de ética profissional e decoro , mostra que a justiça não seguiu seu curso, e que o país não apresenta respeito aos seus cidadãos. A injustiça jamais será justiça, e os meios não justificam os fins, combater a corrupção com corrupção não é estar do lado do povo, mas contra o povo e a democracia do país . Se o moro tiver cometido tais atos , ele deve ser julgado e condenado, pois ninguém está acima da lei, principalmente ele que era detentor das leis para que elas vigirorassem e não fossem corrompidas pelos políticos sujos desse país.

  • Interessante que no filme Cassino Royale, o 007 tem que ganhar 100 milhões de dólares jogando pôquer contra um terrorista, com a intenção de salvar o mundo. E olha que as coisas do James Bond são mega exageradas.
    O Sérgio Moro, Deltan e cia, recuperaram 13 bilhões. Dizem que o somatório da roubalheira chega a trilhões, quiçá zilhões.
    Pois muito bem, a fonte secou e tem uma galera daqui do BR, de fora, querendo não apenas esconder, bem como voltar a mamar na teta.
    SELVA

  • Temos que considerar, data venia, que se Sergio Moro, o juiz não-natural do referido processo do Triplex não tivesse criado e atraído de forma descabida o processo para a 13ª vara Federal de Curitiba, hoje, o referido ex-juiz não estaria em maus lençóis.
    Serginho Moro é vítima da sua arrogância, inveja e sordidez!
    Juízes, em qualquer latitude, devem ser honestos, transparentes, éticos, serenos, humanistas e honestos!
    Serginho agiu como agiam os juízes fascistas!
    Agora, virou cadáver político altamente contaminado, colocando em risco o poder judiciário, o STF, o MPF, a PF, a imprensa nacional e diversos partidos de direita!
    Agora vivemos assim… esperando GLENN GREENWALD !
    Ademais, Serginho ajudou Lula a ser ainda maior!
    E, é bom que arrumem logo um advogado muito bom para o Serginho… quando fala, cada vez se complica mais, demonstrando pouca lucidez jurídica!
    Adeus República de Curitiba!

  • Olha! Observei as conversas de moro e dallagnoll, e uma parte que foi suprimida ou não falada foi do dia 15 de dezembro de 2016 á 13 de março de 2017… Teori Morreu em 19 de janeiro de 2017… P
    Porque justamente no período da morte de Teori Zavaski não aparece os áudios e textos? será que essa é a Bomba que falaram que vai derrubar muita gente?

  • Sergio Furtado Cabreira nao se se vc é um imbecil mau carater ou um mau carater imbecil, mas como pode falar tanta merda? vc é retardado ou usa drogas? Faz um texto estupido desse para que?? Pra provar que o juiz e ladrão e o ladrão é o heroi? Serio isso? MDS quanto imbecilidade!

  • Um jornalista conceituado quase no mundo inteiro, com prêmios, Oscar, que já desbancou os EUA na figura da CIA… Há provas da falta de ética e da corrupção do Moro com o procurador fantoche aos montes.
    Só no Brasil consegue-se, atualmente, reunir tanta gente desinformada, alienada, a ponto de continuar apoiando a barbárie dessa “justiçaria” e um DESgoverno apoiado por caixa 2, fake news, milícia, travestido de direitismo.
    Nem a verdadeira direita, ideológica, aceita mais esses corruptos.
    Peçam para sair, Moro e Bolsonaro.

  • somente alguém que não quer ver, sendo o pior cego mesmo, é que não vê a evidência do crime do santificado sérgio moro, um bandido de toga, mais um, como todos togados, a serviço do capital e suas quadrilhas, para a honra e a glória do acúmulo, da exploração e da dominação até agora impunes dos patrões deste mundo, deste planeta, tão naturalmente belo e tão apequenado pela subgente de plantão

  • Temos algo muito caro e importante para a humanidade, na minha visão; esse algo se chama Democracia. O autoritarismo é a pior faceta da alma humana. A Democracia requer regras de convivência. A regra básica dessa harmonia é o meu direito termina onde começa o direito do outro. Temos a contabilidade com direitos, deveres, haveres e obrigações. É dever das autoridades combater a criminalidade? Sim é! Mas o seu dever encontra limites no direito do outro. Esse direito é o devido processo legal, o qual está consagrado em todas as civilizações democráticas. É imperioso a observância das regras de convivência e conduta. Os fins jamais justificam os meios. O PT para poder governar utilizou um meio que era a “propinocracia”. Isto está certo? Claro que não, porque os fins não justificam os meios. Por outro turno, buscar a justiça via caminhos tortuosos e inconfessáveis, totalmente ao arrepio da lei, também não se justificam. Afinal os fins não justificam os meios. O que o Judiciário brasileiro fez é GRAVÍSSIMO. O judiciário sempre erra quando decide politicamente e não tecnicamente. Política se pratica no parlamento e no executivo, jamais no judiciário. Quando se abriu essa pirotecnia em volta da vaidade do judiciário, as leis foram deturpadas e depravadas. Virou um verdadeiro bordel. A Cia e Nasa não decobriram nada, como o Brasil vai? Sem chance!

  • Já sei o haker deve ser o Lula, ou um militar nacionalista de verdade que nao quer entregar o Brasil para os USA como a custa do sofrido povo brasileiro.

  • Já sei o haker deve ser o Lula, ou um militar nacionalista de verdade que nao quer entregar o Brasil para os USA como a custa do sofrido povo brasileiro. Fora parasitas , livrem essa nação acordem…e por falar nisso que otário esse moro ..se meteu em um mato desconhecido sem cachorro…e eu que admirava esses caras.

  • Até cego de berço já enxergou com clareza desde a primeira condenação do Lula que a Lava Jato é partidária, somente os que odeiam o Lula PT esquerdas é que continuam agindo como aqueles que numa reencarnação passada gritaram por Barrabás o Ladrão e crucificaram o inocente

  • Do cabresto à autodeterminação, sob temor das armas
    Posted on 14 de outubro de 2014, 21:20 by Tribuna da Internet
    FacebookTwitterWhatsAppPrint

    Benigno Dias

    A democracia é uma ditadura com eufemismo. Demos Cratein (do grego): governo do povo, para o povo, pelo povo nunca existiu nenhures. Nesse regime, a exemplo dos demais, em última análise, todo poder se impõe pelo terror das “armas”. Tal efeito dissuasivo será eficaz, enquanto o ser humano for mortal.

    Ninguém teme um juiz pelo seu mero status de magistrado, ou devido ao império de sua moral (falto); todavia, porque o indefeso está perante um árbitro capaz de mobilizar um aparato bélico. Equivale a afirmar: entre o Estado e o cidadão existe uma relação sadomasoquista – onde o Estado é o sádico (quem sente prazer com o sofrimento alheio) e o cidadão é o masoquista (quem se realiza sofrendo). Como provar que o togado é quem está certo? Pasmem, apesar de tudo, ainda há resignado que reforça sua condição de covarde, concordando: “Decisão judicial não se discute, cumpre-se!”

    Os diplomatas estadunidenses são os que mais logram êxitos em suas “negociações”. Será se essas façanhas se deve à habilidade da chancelaria norte-americana, ou é por que a contraparte se rende ao poder de fogo dos ianques?

    O PODER DAS ARMAS

    Outrossim, o governo não monopoliza o arsenal porque governa, mas governa porque monopoliza o arsenal. Tanto é que o sustentáculo sine qua non dos poderes são as armas, que nenhum governo admite a concorrência de grupos armados, “escusos”, dentro dos seus domínios. Mesmo porque os governantes têm consciência das suas ações maléficas e injustas contra a população, e para empurrá-las goela abaixo tem de ser à base da coação e do medo.

    Diante de uma decisão que incita o furor popular (misantrópica), um tipo de relação podre entre os poderes, outrora discreta, tem vindo à tona de maneira mais descarada; é a transferência do “trabalho sujo” ao Judiciário. É mais ou menos assim: sempre que uma autoridade executiva vê-se obrigada a tomar uma medida impopular, para não perder voto e mídia, de pronto, o rolo é remetido ao Poder Judiciário: lá estão androides infalíveis, intocáveis, perfeitos, inquestionáveis, acima do bem e do mal; e suas decisões equivalem ao efeito de um decreto celestial.

    É como se de uma irmandade de três (triarquia): Legisladrão, Executor e Judiador (o louco e inimputável), quando for para cometer uma iniquidade, os dois primeiros combinam: “Vamos mandar Judiador perpetrar esse crime; ele é impunível”. Ou ainda pode ser comparado às quadrilhas que recrutam menores para os seus quadros: todos os delitos são atribuídos aos garotos, eles contam com as benesses da lei. É o Ferrabrás em antipopularidade, o Judiciário.

    JUSTIÇA PODRE

    Por essas e por outras, o Poder Judiciário urge por transformações: em suas hierarquização, forma de ingresso e na quebra da estabilidade pétrea (vitaliciedade). Porque, se assim continuar, votar não passará de uma atitude idiota. Eleitores para escolher representantes que, para livrarem a cara, podem se dar o luxo de terceirizar decisões.

    Decisões atuais com sabor de sujeição que vai do Império Romano à Idade Média, quando se sentenciava: Roma Locuta, Causa Finita (Roma falou, questão vencida) e Magister Dixt (O mestre falou)! A propósito, eu, pelo menos, não voto, e jamais votarei em alguém. Votar para quê? Para eleger os algozes que vão legislar leis que darão uma fachada “legal” aos agentes e estrutura que nos oprimem? Essas legislações abrem caminhos para nos levar à cadeia, à morte, para juízes invadirem nossa vida privada com tamanha petulância, força-nos a nutrir nossos inimigos através de impostos tomados etc.

    MULAS DO ESTADO

    Ou seja: o que deve ser questionado, urgentemente, não é o candidato portador de mau hálito, ou se ele é desonesto, ou o analfabetismo do Tiririca; mas sim o nosso papel de mulas do Estado opressor. Pois somente um povo bem armado pode se opor às tiranias estatais. A grande maioria das leis que são criadas não tem como prioridade o bem-estar dos cidadãos, mas sim visam a garantir a governabilidade, ou seja a nossa submissão de boi-de-canga. Leis que convertem em crimes quaisquer manifestações que ameacem a estabilidade do poder, e signifique a autonomia dos cativos.

    Basta verificar ao longo da história da humanidade, partindo do Antigo Testamento: o poder de subjugar sempre foi exclusividade daqueles que matam com maior eficiência. Por isso mesmo, a consolidação dos Estados só se tornou possível com a sofisticação das armas e a estratificação das forças legalistas: todas as forças armadas a serviço do poder constituído. Religiões, literaturas, mídias; tudo isso compõe o arsenal doutrinador da máquina de manipulação dum regime, mas contra todos esses recursos logísticos, a massa pode desenvolver mecanismos de autodefesa. Todavia, ainda não é viável um mortal tornar-se imune a uma bala que o penetra.

    Reação esperada: quando pelo menos 30% dos subjugados acordarem, e perceberem que são reféns de uma Estado armado, eles se aprestarão como multiplicadores de um novo modelo, onde reinará o equilíbrio de forças. Ora, se o Estado nos submete pela força do seu poderio mortífero, para reagirmos e provarmos que não somos masoquistas, devemos nos armar também de forma estratégica e organizada. Claro que nem todos comungam com este modelo proposto: uns porque já se habituaram na canga, outros porque só sabem viver na dependência de uma tutela, e aqueles porque são os beneficiados pela estrutura pandemônica, repressora da grande maioria.

    Absurdo é conceber que a mesma geração rebelde que, atendendo aos apelos do movimento hippie, rompeu os laços familiares, deixou seus lares e se mandou pelo mundo afora; e essa mesma geração ainda não teve rebeldia suficiente para se desvencilhar do jugo do Estado Escravista.

    Porém, como somos uma gentinha acovardada, para viver o menos injusto dentro dessa relação ditatorial, a população deveria deflagrar um movimento, visando a pressionar o Congresso Nacional, a fim de que este extirpe, de pronto, a vitaliciedade dos magistrados e a estabilidade pétrea de policiais. Pois, quem se dá à audácia de invadir a vida alheia, perseguir e julgar, no mínimo, tem de ser perfeito e infalível. Do contrário, o agente deve-se declarar incompetente para tal MISSÃO, ou melhor, introMISSÃO. Somente o niilismo nos dará a chance de um recomeço!

    -O instinto de autodefesa é uma faculdade peculiar a todo organismo vivo.

    – A lei da sobrevivência é a que revoga as demais.

    -Todo dominado tem implantado em si um “botão de acionamento” – cuja senha é privativa dos dominadores – esse código de acesso se chama MEDO.

    -O grupo opressor é um oportunista da covardia popular.

    This entry was posted in Geral. Bookmark the permalink.
    Post navigation← previousnext →
    One thought on “Do cabresto à autodeterminação, sob temor das armas”
    Gesse Almeida 15 de outubro de 2014, 04:57 at 04:57
    Vamos acrescer: no embate do mar contra o rochedo quem perde é o siri….

  • O povo pelo visto já chegou no nível profissional de alucinação, onde , nega-se o que vê, e credibiliza com ares de verdade irrefutável o que acabou de pensar. Onde vamos parar num país de inteligência corroída como esse Brasil? Socialistas tem o dom. Acho que fariam melhor se sentassem pra chupar um pedaço de prego debaixo de uma mangueira.

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...