Número de estagiários e aprendizes no Brasil aumentou

Estágio
 


De acordo com dados do estudo “Benefícios Econômicos e Sociais do Estágio e da Aprendizagem”, do Centro de Integração Empresa-Escola (Ciee) em parceria com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), divulgados nesta terça-feira (11/6), o número de estagiários no Brasil aumentou de 339 mil em 2010 para 498 mil em 2017, o que representa um crescimento de 47,1%.

O número de bolsistas cresceu 42,2% nesse mesmo período, ao passar de 206 mil para 292 mil. Em 2017, a maior parte dos estagiários cursava o ensino superior (76,6%), seguido pelo ensino médio (19,6%), técnico (3,4%) e demais níveis (0,3%).

O estudo mostra que, em termos percentuais, a proporção de estagiários que recebiam bolsa-auxílio no país teve queda de 60,7% em 2010 para 58,7% em 2017, sendo que em 2016 esse percentual era de 66,4%.

Segundo a pesquisa, a maior parte de estagiários em 2007 era do sexo feminino (59,8%). O número maior se repete em todos os níveis de estágio.

Os estagiários do sexo masculino, com bolsa-auxílio em 2017, eram 59,2% enquanto os de sexo feminino eram 58,3%. Quando se trata do valor recebido pelos estagiários, as mulheres ganhavam menos em todos os anos e níveis educacionais. Para os estagiários do nível superior, a diferença média, em 2017, era de R$ 1.001,00, o que indica que os homens recebiam uma bolsa 8,9% maior do que as mulheres.

O número de aprendizes no Brasil teve aumento de 100,2%, de 2010, quando eram 193 mil, para 2017, quando o número passou a ser de 386 mil. A remuneração média dos aprendizes nesse período passou de R$ 395,00 para R$ 634,00 (60,6%) em termos nominais ou de R$ 600,00 para R$ 634,00 (5,7%) em termos reais.

Segundo o estudo, a remuneração total dos estagiários e aprendizes chegou a R$ 6,246 bilhões em 2017. Com isso o valor adicionado ao Produto Interno Bruto (PIB) foi de R5 15,1 bilhões, o que gerou um impacto direto e indireto de R$ 10,7 bilhões. O impacto induzido (aumento da renda dos agentes da economia) foi de R$ 4,4 bilhões. Foram gerados 181,6 mil postos de trabalho.

* Com informações de Agência Brasil

Sobre o Colunista

Redação TL

Redação TL

3 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Ola!
    Bom dia! Sou um admirador do site de vocês, gosto muito, mas queira saber sobre a possibilidade de vocês colocarem um plugin para podermos compartilhar no In.
    São matéria boas que podem ter mais acessos a diferentes públicos que lá se encontram.
    Obrigado.

  • Esse aumento foi por causa Lei Aprendiz Legal, lei 10.097/2000. Que obriga o empresario a contratar aprendiz, lei do FHC e Lula, que não respeitam o mercado só impõem aos empresários suas vontades.

  • Estava assistindo a um debate do Milton Friedman com outros Economistas renomados no youtube, coisa antiga, no qual eles debatiam sobre a grande depressão americana e o Welfare State.

    Entre os principais temas estava “as políticas de inclusão social e como elas criam uma grande parcela da população que será eternamente dependente do Estado, sendo incapazes de gerir suas vidas seja por inabilidade ou conveniência”.

    Aqui no Brasil temos os mesmos problemas e não vemos ninguem debater publicamente este assunto com alguma autoridade já que muitos radicais inviabilizam o debate em nome grupos políticos..

    Mas existem aqueles que enxergam um grande valor nisso, idolatrando FHC e Lula por copiarem as políticas de auxilio sociais criadas pelas Esquerda nos nos anos de 1930, no país mais malvadão e capitalista do mundo, os EUA, e pasmem, FHC e Lula fizeram isso criticando os americanos!

    Pra quem leva a vida humana a sério não dá pra ter respeito algum por estes demagogos populistas que tivemos como Presidentes antes de Bolsonaro.

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...