OMS recua e diz que governos devem pensar em quem precisa garantir o pão de cada dia

 


Em entrevista coletiva da Organização Mundial de Saúde (OMS), o diretor-geral, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que os lockdowns (ou quarentenas) podem comprar tempo, mas devem levar em conta que cada país é diferente.

A fala de Ghebreyesus é encarada como um “recuo” da OMS em relação ao isolamento de pessoas saudáveis durante a pandemia do vírus chinês, que impacta diretamente na economia e no sustento de famílias.

“Se estamos fechando ou limitando o movimento, precisamos pensar nelas [as pessoas]. O impacto na economia tem a ver com vários fatores, mas precisamos saber o que isso significa para o indivíduo que precisa sair para sobreviver. Venho de uma família pobre e sei o que significa se preocupar com o que comer amanhã”.

Ainda de acordo com o diretor da OMS, os governos têm de levar em conta a população que precisa trabalhar para garantir seu pão diário.

O afrouxamento das medidas de isolamento já vem sido defendida pelo presidente Jair Bolsonaro, que recebe inúmeras críticas. Em diversos estados, está proibida, sob pena de multa, a abertura do comércio. As pessoas foram privadas do direito de garantirem seu próprio sustento.

“Se fecharmos ou limitarmos as movimentações, o que acontecerá com essas pessoas que têm que trabalhar todos os dias e têm que garantir seu pão de cada dia todos os dias?”, questiona Tedros. “Cada país, baseado em sua situação, deveria responder a esta questão”, acrescentou.

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...