Parlamento do Reino Unido é suspenso

Foto: Reuters


A partir do final do debate de hoje (9), o parlamento britânico ficará suspenso durante cinco semanas, até 14 de outubro de 2019.

Na agenda parlamentar de hoje estão previstos debates sobre legislação para a Irlanda do Norte e uma proposta de eleições antecipadas feita pelo governo, mas que a oposição já disse que pretende inviabilizar.

O governo britânico obteve autorização da rainha Elizabeth II para suspender o parlamento, com o objetivo de apresentar uma nova agenda legislativa nacional para a renovação do país após o Brexit,  em 14 de outubro.

A suspensão causou uma onda de indignação no Reino Unido quando foi anunciada no final de agosto, levando a oposição a qualificar a decisão como um “escândalo e uma ameaça à democracia” e uma manobra para forçar um `Brexit` sem acordo a 31 de outubro.

Duas ações judiciais para bloquear a suspensão foram rejeitadas nas últimas semanas em tribunais de Edimburgo e Londres, sendo esperado que os recursos sejam analisados em 17 de setembro pela Suprema Corte, a última instância judicial britânica.

Um terceiro caso está em curso num tribunal de Belfast, tendo uma audiência sido agendada para 16 de setembro.

Colaborou Agência Brasil

Sobre o Colunista

Bruna de Pieri

Bruna de Pieri

"Cheguei mesmo à conclusão de que escrever é a coisa que mais desejo no mundo" (C.L.) | Jornalista, Católica, 22 anos,

7 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Vamos falar um pouco sobre o Brexit.
    Foi feito um plebiscito , e sair da comunidade europeia venceu.
    Houve muita propaganda midiática a favor e contra . Muito dinheiro foi gasto nisto. Pelo fato da Inglaterra ser um pais avançado , fica a impressão que tudo foi feito em altíssimo nível e tudo foi debatido , todos os detalhes virados do avesso , e o leitor inglês foi votar com todas informações na mão . Mas que grande engano . Quando a saída da Inglaterra da comunidade europeia começou a funcionar , muitas firmas multinacionais saíram de Londres , causando desemprego de gente de alto nível . Os ingleses para irem ao continente, não tinham mais as portas abertas , tendo que ficar em filas para mostrar o passaporte. Firmas que foram obrigadas a sair da Inglaterra estão processando o governo em 150 bilhões de euros previstos em contrato se as condições de negócios mudassem , como o Brexit mudou.
    Resumindo : a propaganda vendeu uma coisa e os ingleses compraram outra . Você pensava que era só carioca que não sabe votar ? Ingleses também não.
    Do outro lado , os burocratas de Bruxelas que comandam a comunidade europeia não dão moleza para Inglaterra , pois se fosse fácil , todos iriam querer sair por motivos fúteis.
    Fica a lição que eleitores são burros e estúpidos aqui , ali e em todo lugar , como dizia a musica dos Beatles.

  • Ninguém disse que seria sem custo.
    Quando você declara independência, a metrópole cobra a ex-colônia suas dívidas. É a versão moderna disso.
    100 ou 500 bilhões, nenhum dinheiro paga a independência para tomar decisões, a soberania nacional acima da pressão dos parlamentares da união europeia.

  • Se livrar do caos da união europeia tem seus custos, mas os ganhos são maiores e a população, acusada de burra, sabe muito mais suas dores do que os burros e medíocres que os apontam por aqui.

  • Com todos os prejuízos que podem advir desse fim de núpcias socialista, aqueles que os assumem em nome de uma liberdade econômica e etc, são chamados de burros e estúpidos, oras, definitivamente sobram pontos de vistas inteligentes ou não, mas a liberdade será sempre uma estupidez aprazível, eternamente desejada, jamais deve ser submetida a uma prisão perfumada, delineada e regulada, ainda que ela aparente inteligente.

  • O inglês optou por voltar a ter seus governantes à mão e não mais serem governados por entes remotos e inatingíveis. Como muito bem afirmou o Bruno RPM, “100 ou 500 bilhões, nenhum dinheiro paga a independência para tomar decisões, a soberania nacional acima da pressão dos parlamentares da união europeia”.

Blog Authors

Guilherme Galvão VillaniGuilherme Galvão Villani

Mariliense. Gosto pela Administração, Contabilidade e Finanças. Atu...

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...