fbpx

Pentágono prevê vacina contra covid-19 até o fim do ano

 


A diretora do Programa de Pesquisa de Doenças Infecciosas das Forças Armadas dos Estados Unidos (EUA), coronel Wendy Sammons-Jackson, disse hoje (3/6) que é razoável esperar que algum tipo de vacina para o novo coronavírus esteja disponível para parte da população norte-americana até o fim deste ano (2020).

O secretário de Defesa, Mark Esper, prometeu, em 15 de maio, que as Forças Armadas norte-americanas e outras áreas do governo iriam, em colaboração com o setor privado, produzir uma vacina em escala para tratar a população do país e seus parceiros pelo mundo até o fim do ano.

Outro pesquisador do Exército, Kayvon Modjarrad, afirmou que os pesquisadores estão aprendendo sobre o novo coronavírus mais rápido do que sobre qualquer outro vírus anteriormente.

“Então, chegar a uma vacina em questão de meses, do conceito até a fase 3 de testes clínicos e com potencial de licenciamento, não tem precedentes. Mas, neste caso, acredito muito que seja possível”, afirmou Modjarrad.

Pesquisadores disseram que o trabalho envolve empresas como AstraZeneca, Johnson & Johnson, Moderna e Sanofi para desenvolver medicamentos de anticorpos e vacinas. Os militares planejam testar sua própria vacina em pessoas no fim do verão no Hemisfério Norte.

Informações: Agência Brasil

Sobre o Colunista

Brehnno Galgane

Brehnno Galgane

Graduando em Filosofia pela PUC-Rio, Católico e cultivador de uma narrativa que tenha sentido segundo a forma humana.

3 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Levou uns 8 anos para Jonas Salk desenvolver a vacina da pólio, que era uma epidemia grave nos EUA. E levou mais 5 anos para o Sabin desenvolver a mesma vacina, só que para ser ministrada em bebês (a famosa gotinha). Isso foi na década de 50. Só no ano passado que a pólio foi declarada erradicada do planeta. Por isso, na boa, não acredito que teremos uma vacina efetiva contra o vírus chinês tão cedo.

  • New estimate by CDC reduces COVID-19 death rate to just 0.26% (IFR) from WHO’s 3.4% (CFR)

    For the first time, the US Centers for Disease Control and Prevention (CDC) has given a realistic estimate of the overall death rate for COVID-19, which in its most likely scenario is 0.26 %. They estimate a 0.4 % fatality rate among the symptomatic cases. If you consider their projection that 35% of all infected cases remain asymptomatic, the overall infection fatality rate (IFR) drops to just 0.26 %. This is almost exactly what the Stanford researchers had projected in April 2020.

    John P.A. Ioannidis, a professor in medicine, epidemiology and population health, biomedical data science, and statistics at Stanford University had earlier calculated the reasonable estimates for the case fatality ratio in the general U.S. population to be in the range of 0.05% to 1%.

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...