PGR pede ao STJ abertura de inquérito para apurar possível crime de Rogério Favreto

Brasília - A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, concede entrevista após reunião com os ministros Raul Jungmann, Torquato Jardim e Sérgio Etchegoyen sobre a segurança no Rio (Wilson Dias/Agência Brasil).


Se o desembargador do Tribunal Regional da 4ª Região (TRF-4), Rogério Favreto, queria holofotes ao ordenar a soltura do ex-presidente Lula, no último domingo (8), conseguiu. O ex-petista ganhou a admiração de meia dúzia de militantes do partido, mas acumulou dores de cabeça na justiça. A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, enviou nesta quarta-feira (11) ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) um pedido de abertura de inquérito judicial para investigar o Favreto pelo crime de prevaricação.

Dodge também enviou ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) uma reclamação disciplinar pedindo a condenação do desembargador por infração disciplinar.

A procuradora-geral afirmou que a conduta de Favreto revela “episódio atípico e inesperado que produziu efeitos nocivos sobre a credibilidade da justiça e sobre a higidez do princípio da impessoalidade”.

Os quinze minutos de fama do desembargador podem lhe render quinze anos de dor de cabeça.

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...