Por que o Brasil abre a Assembleia Geral das Nações Unidas?

 


O presidente Jair Bolsonaro abre nesta terça-feira (24) a 74ª Assembleia Geral das Nações Unidas. O discurso está previsto para as 10h.

De acordo com o Governo Federal, a fala inicial do Brasil cumpre uma tradição de 1947, quando o diplomata Oswaldo Aranha presidiu a Assembleia em dois momentos.

A decisão de o Brasil abrir a assembleia decorreu de dois fatos: a atuação na Segunda Guerra Mundial, quando o país combateu ao lado dos norte-americanos na Itália em 1945; e por não ter obtido um assento permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas, que é formado por EUA, França, Reino Unido, China e a Rússia (ex-União Soviética), explica o professor de Relações Internacionais da Universidade de Brasília, Juliano Cortinhas.

Para o embaixador e diretor do Departamento das Nações Unidas do Ministério das Relações Exteriores, Luis Fernando Abbott Galvão, essa tradição traz visibilidade ao Brasil. “É uma ótima oportunidade para proferir a visibilidade ao discurso brasileiro no debate geral da Assembleia. Então, é um momento em que os estados membros estão todos presentes no debate geral, os líderes”, defendeu.

Abertura da Assembleia

Nem sempre foram os presidentes do país que abriram a Assembleia Geral das Nações Unidas. Muitas vezes esse papel coube ao chanceler brasileiro, o ministro das Relações Exteriores.

Em 1974, no governo do presidente Ernesto Geisel, o chanceler Azeredo da Silveira fez um discurso que enfatizou o pragmatismo e a responsabilidade da diplomacia brasileira a partir dos princípios do universalismo, da diversificação de parcerias e da primazia dos interesses nacionais. Onze anos antes, em 1963, no governo do ex-presidente João Goulart, outro chanceler, Araujo Castro, proferiu o discurso.

Sobre o Colunista

Bruna de Pieri

Bruna de Pieri

Jornalista e católica.

5 Comentários

Clique aqui para comentar

  • ONU, uma organização que desde a sua fundação não conseguiu impedir nenhum conflito e fala o tempo todo de direitos humanos… ao mesmo tempo em que mantém países com os maiores violadores de direitos humanos como Russia e China como seus integrantes… Pffff….

  • Em reconhecimento ao papel desempenhado pelo brasileiro OSWALDO ARANHA, (1894-1960), no início da Organização das Nações Unidas. Ele presidiu a Primeira Assembléia Geral especial das Nações Unidas, realiza em 1947,e a segunda Assembléia Geral Ordinária, no mesmo ano.
    Oswaldo Aranha, Diplomata e Advogado brasileiro,ficou conhecido na política internacional, por fazer loby pela criação do Estado de Israel como chefe da delegação brasileira à ONU e presidente da Assembleia Geral da ONU em 1947,durante a votação da UNGA-181, sobre o plano de participação das Nações Unidas para a Palestina, no qual ele adiou a votação por três dias para garantir sua aprovação. Por seus esforços na situação palestina, ele foi nomeado para o Prêmio Nobel da Paz em 1948.

    ¨¨¨
    Ministro da Fazenda_ Governo Getúlio Vargas.( 16 de Junho 1953-24 Agosto 1954).
    Nasceu em Alegrete/ RS, 15 de Fevereiro 1894.
    Faleceu 27 de Janeiro de 1960, ( ainda Distrito Federal).

  • Ignorar a ONU não é a coisa certa a fazer. Tanto que os EUA estão lá. Ir lá e discursar é o melhor a fazer. Hora, se o diabo existe e você tem que passar pelo inferno, então abraça logo o capeta!

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...