Príncipe Luiz Philippe se posiciona sobre a lei das “fake news”

Príncipe Luiz Philippe de Orleans e Bragança
 


Em contato com o Terça Livre na manhã desta sexta-feira (30/8), o deputado federal, cientista político, ativista, empresário brasileiro e príncipe do Brasil, Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL-SP), se posicionou sobre a chamada “lei das fake news“, aprovado recentemente na Câmara dos Deputados.

O príncipe defende que a liberdade de expressão seja auto-regulada pela própria população e esclarece que esta lei protege exclusivamente a classe política num embate contra a própria sociedade.

Essa lei não protege a sociedade brasileira e sim a políticos e a interesses de partidos.“, ressalta.

Confira

Sobre o Colunista

Ricardo Roveran

Ricardo Roveran

Estudante de artes, filosofia e ciências. Jornalista, crítico de arte e escritor. Escrevo por amor e nas horas vagas salvo o mundo.

Twitter: @RicardoRoveran

12 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Ao Décio abaxio, sim principe do Brasil, não herdeiro ao trono que foi roubado de sua familia em um golpe de estado feito por um bando de militares positivistas em aliança a senhores de escravos que não aceitavam a abolição e uns idiotas republicanos.

    Graças a esses palhaços é que temos o caos de hoje.

  • Entendi, então o melhor seria ter até hoje Monarquia (Portuguesa) no Brasil. Agradeço os esclarecimentos dos verdadeiros “patriotas” deste país.

  • Décio, se informe melhor, a Monarquia era Brasileira, independente de Portugal, sendo o período mais glorioso deste país.

    Se informe mais. Não conhece a própria história, e isso é triste!

  • Décio, por favor, não envergonhe a história do seu país.

    Monarquia não é imposta! Deve ser aceita pela população da nação.

    E o príncipe Luiz Philippe não é herdeiro do trono.

  • Alguns órgãos da imprensa, tem auxílio de pseudos jornalistas, ganham __suborno___ para cometer crimes: caluniar, ironizar.
    Um tipo de parque, onde ficam rodeados papagaios d e pirata, quemquém, urubus, aves de rapina,…
    PÁRIAS!
    Art. 142 está bem claro na Constituição. Fuzilar!

  • Do que adianta uma lei de “fake news” sem determinar e/ou regular o que é “fake news”?

    Ex.: Filmes poderão ser censurados, comédias, piadas, vários canais no youtube de criadores de piadas, comédia, que estão o tempo todo criando situações antagônicas para fazer todos rirem. A “fake news”, notícias falsas, não restringe até mesmo um compartilhamento.

    Isto é um enorme desserviço que este governo já fez para este país, e os mais prejudicados são os produtores de conteúdos para entretenimento, só que ninguém está vendo este ponto.

  • Acabar com as fake-news ? É este o real problema do Brasil ?
    Antes disto vem um problema maior, aonde a mentira se tornou a matéria prima para muita gente sobreviver . E isto é possível , porque o Brasil é um país de analfabetos , e mesmo quem cursou 8 anos de escola , foi apenas doutrinado pela esquerda e não desenvolveu o espírito critico.
    Num país aonde um analfabeto alcóolatra e tarado é eleito presidente do Brasil , alguma coisa tem que estar muito errada . E o tsunami de mentiras crescendo cada vez mais. Até que um dia , esta maré de mentiras molhou os sapatos de cromo alemão dos deuses do STF e Congresso. Aí eles mordidos . Algo tinha que ser feito . E como são muito pró-ativos fizeram a roda girar , até que uma lei fosse criada.
    O que alimenta a mentira é o povo acreditar tão facilmente nelas e chegamos ao cúmulo de jornais e televisões serem os maiores mentirosos do país e se algo for feito , será alegada a liberdade de imprensa e expressão.
    Será que uma lei meia-boca resolve isto ?
    Não.
    Se cada brasileiro tivesse espírito critico obtido depois de 8 anos de estudo REAL, ninguém mentiria para não ser ridículo e perder a credibilidade.
    Tanto que a Folha de São Paulo segue a risca o dizer de uma propaganda que ela mesma veiculou há 20 anos atrás : É possível mentir muito só dizendo meias verdades.

  • Eu concordo com o Luiz Philippe. Políticos tem que deixar a Internet livre! Não censurem, não controlem, não invadam a privacidade, ou seja, NÃO TOQUEM NELA! Se alguém cometer algum deslize, então SE VIREM para identificá-lo e puni-lo. Uma outra iniciativa boa são as Agências Anti Fake News ou Fact-Checking que vieram para desmascarar essas Fake News estabelecendo o EQUILÍBRIO DE FORÇAS na Internet. 😉

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...