Projeto de Lei perseguirá cristãos e militares

Projeto de Lei 664816


Não é nenhuma novidade que os comunistas sonham em tempo integral com a “sociedade sem classes“, na qual estranhamente haverão sim classes: os líderes idolatrados e os miseráveis explorados.

Fizeram acontecer seus planos em diversos tipos de estado, dos que nasciam aos repartidos em guerra, dos teocráticos aos mais próximos do anarquismo. Acontece que conseguir isto numa democracia não é tão fácil, custa caro e pode levar séculos, este é um caso no qual geralmente gastam-se bilhões na mudança gradual de leis e na esfera da cultura popular, plantando sementes de revolução que germinarão em décadas, que crescerão e darão seus frutos caóticos num tempo no qual o plantio já terá caído no esquecimento.

É assim que acontece: um sujeito aparece com uma ideia mirabolante, aparentemente inofensiva e a coloca em execução, em seguida ela se desenvolve descontroladamente, como uma planta que busca o sol e a água, para no final se tornar uma árvore estranha. Ela começa a arrebentar o asfalto e você pergunta quem a plantou, mas ninguém se lembra.

Tanto a revolução cultural quanto a jurídica acontecem assim, são necessários séculos para uma ideia alcançar o resultado almejado.

Nesta linha, aparece um “bem intencionado” comunista, preocupadíssimo com o efeito que as palavras possam causar nas mentes das pessoas despreparadas e resolve vetar os títulos que precedem os nomes de candidatos. Segundo o Projeto de Lei 6648/16, de autoria do Jean Wyllys e da Luiza Erundina, que foi apresentado em dezembro de 2016, deverão ser vedadas, nas denominações de candidatos, a utilização de expressões que designem hierarquia, cargos ou funções militares, religiosas, acadêmicas ou profissionais.

Ainda no texto de justificativa afirmam: “Não estão em jogo questões relativas ao respeito, reverência ou cortesia. A rigor, trata-se de meros expedientes eleitorais, consistentes na fixação de ‘marcas’, ‘rótulos’ ou ‘patentes’ para atrair o voto, principalmente dos mais humildes“.

A primeira impressão ao lermos isto é que parece tratar-se de algo inofensivo, indigno de nossa atenção, mas vamos olhar mais de perto.

Perguntemos: quais as reais intenções deste Projeto de Lei da esquerda?

Primeiro, perseguir cristãos e militares, por exemplo, pastor Marco Feliciano e capitão Jair Bolsonaro. Uma vez que tais títulos significam experiência com liderança: o pastor é sujeito que está a frente do povo, o capitão é um comandante de homens; desta maneira, o simples fato de alguém carregar tais títulos já diz algo sobre a origem do candidato e sua linhagem no espectro político (obviamente alguém de direita), e tais títulos servem para orientar o eleitor e não para confundi-lo, ou seja, é precisamente o contrário do que justificaram os autores do projeto.

Segundo acabar com a noção de mérito, desde a prática linguística. Os demais títulos como doutor por exemplo, usados geralmente por médicos e advogados, significam experiência profissional e comunicam que o indivíduo é dedicado, que estudou, que está de alguma forma se preparando para algo maior que seu próprio umbigo. Um médico no hospital não busca salvar vidas? Um advogado no tribunal não busca salvar honras? Então como dizer que “não estão em jogo questões relativas ao respeito“? Ao desonrarem os candidatos subtraindo-lhes os títulos, não apenas os desrespeitaram, pois tais títulos custaram-lhes esforço e dedicação, como desrespeitaram a própria população, subtraindo-lhes o direito de julgar quem está ou não preparado, tendo em vista justamente os títulos que algo informam sobre quem se apresenta.

Uma vez então que tal aberração jurídica entre em vigor, a população perde o direito de discernir quem estudou, se preparou e tem experiência, de quem nada fez além de ocupar-se com oratória e repetição de discursos.

Este é o primeiro nível: no âmbito político. Para tal regra estender-se desta esfera política para a sociedade toda, não é preciso muito senão algumas décadas de experiência, colocando tal lei como balão de ensaio social: se funcionar na política, também será tentada no resto da sociedade e mais uma vez, lá se foi a noção de mérito.

O sonho da “sociedade sem classes“, passa pela destruição da noção de mérito e o que vemos aqui é uma tentativa de forçar um comportamento linguístico que relativiza o conceito do mérito: comunista não dá ponto sem nó.

Se os dois deputados que apresentaram a proposta estivessem tão preocupados com os ‘rótulos‘, como afirmam na justificativa, não seria justo vedar também todas as formas de rótulos conhecidas? Por exemplo: as preferências sexuais de cada um?! Ou neste caso é fascismo?!

Por que é vergonhoso ser um líder religioso? Por que os militares devem esconder suas carreiras? Por que ser religioso, militar, doutor ou alguém que conquistou posição hierárquica, é motivo de vergonha e precisa ser escondido? A verdade é simples: o nome disto é preconceito contra a ordem social.

Este projeto não saiu da gaveta por acaso, depois de dois anos esquecido o desespero bateu na porta da esquerda: o fenômeno Bolsonaro (cristão e militar) ganhou proporção nacional e de desacreditado passou a ser o preferido. Segundo o último levantamento disputarão as eleições este ano 117 militares e some-se a isto o fato de que todas as pesquisas apontam sequencialmente, a família, a igreja e as forças armadas, como as mais confiáveis instituições sociais. Sociologicamente é um estratégico projeto de censura.

O Projeto agora está pronto para Pauta na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC).

Sobre o Colunista

Ricardo Roveran

Ricardo Roveran

Estudante de artes, filosofia e ciências. Jornalista, crítico de arte e escritor. Escrevo por amor e nas horas vagas salvo o mundo.

Twitter: @RicardoRoveran

32 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Como sempre a esquerda quer falar quem não pensa como eles, e assim vão dando mais e mais motivos para o povo exterminados da política nacional.

  • Bom, não se trata de perseguição e sim de lógica. O estado é laico logo não devemos ter um deputado pastor e sim um deputado! Chega de deputados enfiando seus conceitos religiosos no país e atrasando as políticas para a comunidade LGBTQ, aborto etc. Não há perseguição nenhuma.

  • projeto bem intencionado, que pode ser ampliado para não explicitar nenhum atributo (gênero, profissional, religioso, social, pessoal). Daria lugar apenas às propostas políticas dos candidatos: ponto a favor.
    Mas deixaria em segredo quem é a pessoa que tem uma plataforma; e esta informação não é importante? ponto contra.
    Por outro lado, atributos sociais afastam e aproximam – são faca de dois gumes.
    Acredito no potencial benéfico da proposta, mas, ao final, fica um gosto de luta entre “religiosos” x “não religiosos”, no lugar de argumentos racionais e bem elaborados sobre propostas políticas.

  • Teremos que arrancar e exterminar a esquerda do Brasil à força… atrancar-lhes as cabeças e mostrar o que é verdade num país honesto… esses são grandes energúmenos que nunca a deveriam ter existido… que vergonha.

  • Eu concordo com QUASE tudo do texto, exceto a parte que diz que médicos e advogados têm o direito de utilizarem o título de doutor, pois não o têm. Doutor é a pessoa que recebe este honrado título por deterem o douto saber científico, ou seja, contribuíram com a ciência por meio de pesquisas cujo resultado foi uma tese aprovada por uma junta académica de alta patente. O simples fato de deterem o título de bacharel em direito ou bacharel em medicina nunca lhes concedeu o título de doutores.

  • Isso não é gente, mas sim dois demônios na sociedade brasileira, tenho fé que Deus não irão permitir que isso se concretize, cadeia pra esse dois podres numa sociedade que já sofre tanto

  • as vezes é preciso pessoas com uma boa capacidade de percepção,pois “comunista não dá ponto sem nó”
    Realmente eles são ardilosos. Usam as palavras para confundir os mais humildes.

  • Estado LAICO não é Estado sem Religião.
    E sim Estado no qual todas as religiões são aceitas e devem ser respeitadas.
    Pluraridade e democracia é isso, o resto é ditadura, censura, tirania, comunismo, socialismo… resumindo: tudo onde não há respeito só opressão .

  • Eu acho que é falta do que fazer desse deputadozinho de … Bbom o resto vcs podem deduzir. Kkkkkk.
    Vai fazer algo útil em vez de ficar inventando moda.

  • Eu acho que é falta do que fazer desse deputadozinho de … bom o resto vcs podem deduzir. Kkkkkk.
    Vai fazer algo útil em vez de ficar inventando moda.

  • Imagina, se dizem democratas, mas agem com preconceito todas as vezes que se arvoram em defender o interesse alheio. O povo precisa ser tutelado por eles. Doutor, Padre e Pastor, Mãe ou Pai de Santo, Militar, vão ser sim, sempre considerados títulos evidenciando o percurso de vida profissional, educacional ou social. O que esperar de um ex-BBB.

  • Acho que se queremos liberdade, e o discurso desse povo não é de liberdade e tal….
    se queremos liberdade deixa colocar o nome que quiser, pq nome Zé da farmácia, Maria da couve, pode, então capitão, pastor etc, tbm pode. Mas esperar o que desse povo que nunca lutou por liberdade?! Ao invés de um projeto desse, deveria lutar por projetos contra os milhares de benefícios que essa corja de políticos usufruem isso sim!

  • Sera que a esquerda nao esta querendo colocar s seus próprios pastores, capitães, martiris is seus próprios titulos? Apenas mudar a terminologia???

  • Henrique se o estado é laico, e de fato é. Porque ter lideres de LGBT? porque ter feministas? porque ter pastores? Concordo com vocÊ. Mas parece que é laico para cristãos? Não entendo. Se é pra um tem que ser para todos. Essas bancadas todas tem que acabar, porque o povo é o povo, independente de raça, opção sexual e etc. Todos são safados. De todos, Jean e feliciano são os que me causam mais nauseas.

  • Ah….. Vocês só querem puxar cada um pra sua sardinha. Atrasando politicas de LGBT? Mano o estado é Laico como você mesmo disse. Quanto ao aborto não é assim não. Faz uma lei para o aborto porque tem muitas mulheres sofrendo e morrendo devido a isso? Aí é foda. E o feto não é uma vida? Não estou aqui para julgar, mas a questão de liberação para o aborto não cabe a lideres LGBT. Cabe a quem é imparcial e não pensa em favorecer a um grupo. Isso é ser politico, devemos ser imparciais, pensar nos dois lados da moeda e ver o que pode ser feito sem prejudicar a um e ligar o foda-se pra outro! SEJA IMPARCIAL.

  • Tem uns animais que se apegam somente ao título de pastor, e vem com a discurso furado que o estado é laico, mas, o mesmo ama feriados santos.
    Não leu o texto inteiro, e não percebeu que o problema vai além de colocar um pessoa religiosa, mas sim, alguém com ética e capacidade, como ocorreu há alguns anos atrás com o DR. ENÉAS.

  • Dá uma corrigida no português…haver no sentido de existir é invariável (primeiro parágrafo). Existem outros pequenos equívocos, porém menos crassos. Boa argumentação, porém perde muito tempo na introdução.

  • Daqui a pouco, pelas circunstâncias…

    Uma pessoa é cristã admitir sua fé em público, será crime!!!

    Temos que pressionar o congresso para isso não passe de jeito nenhum.

  • Ao invés de ficar criando leis idiotas que iram beneficiar só vocês, deveria elaborar projetos para população por que títulos não intimida ninguém por que somos todos semelhante assim como diz a palavra de Deus, e para o Sr.Deputado eu digo como ex soldado do exército e como cristão que o senhor amadureça por que o congresso não ficou para palhaçada e sim para resolver os problemas do país.

  • Duas bestas que quando nasceram passaram buracos que tinha fezes aí da nisso ficaram com o cérebro só merda, são pessoas que muitas das vezes viveram na pobreza extrema aí deu ai o satanás ajudou que eles saíssem do anonimato e pra completar um bando de idiotas cérebro de jumento elegeram pra tá nesse antro de vagabundos,que na minha opinião deveria ser igual concurso público dos que tivessem uma certa quantidade de votos eram chamados pra fazer um teste psicológico aí de acordo com o grau de sanidade eram colocados com certeza não tinha essas aberrações nesse puteiro,e pra acabar de completar alguns idiotas ainda fazem uns comentários aí que vou te falar,um bando de débeis mentais que não tem nenhum compromisso nem com a bosta da vida dele quanto mais com.a dos outros

  • Orarei por vc e sua família, para que abra o teu pensamento e enxergue que contra o poder do Deus vivo, sua derrota está a caminho.

  • Qual a profissão Erundina e do Wilian, ou sera que se apresentam somente como deputados, sera que serão reeleitos

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...