Quem são os advogados dos terroristas presos na av. Paulista

Denis Veiga Júnior ex-assessor do deputado Orlando Silva, autor do projeto da lei de imigração.

O Inquérito Policial que apura o ataque à bomba na manifestação pacífica contra a Lei de Imigração, na Av. Paulista no último dia 02/05, segue seu trâmite à espera da conclusão da investigação. Os autos do inquérito tramitam na Seção 3 do Departamento de Inquéritos Policiais do Fórum da Barra Funda, em São Paulo – o DIPO 3. O número do processo é o 0035555-35.2017.8.26.0050. Um dia após o atentado, o juiz que recebeu os autos, em audiência de custódia, libertou os criminosos presos em flagrante delito.

Recebemos a informação de três nomes de advogados que se habilitaram no caso como defensores dos indiciados. Um deles é Hugo Albuquerque, membro da ONG Jornalistas Livres (a nova carapuça do Mídia Ninja), que esteve presente na delegacia no dia dos fatos. Hugo já foi assessor no gabinete do deputado estadual Adriano Diogo, do PT, no ano de 2014. Adriano aparece em uma investigação do MP de São Paulo contra o PSDB sobre dinheiro entregue ao PCC nas obras do Rodoanel na capital. Seu nome também está na lista de empreiteiros da Lava-jato. Também a frente da defesa dos terroristas está Maria Jamile José, sócia do escritório Tofic Simantob que renunciou à defesa dos marqueteiros João Santana e Monica Moura por ser contra os termos do acordo de delação premiada que o casal assinou com o Ministério Público Federal. Um outro causídico que defende os terroristas é Denis Veiga Júnior que foi candidato a vereador pelo PC do B nas últimas eleições municipais em São Paulo. Sobre Denis, ele também já esteve lotado em gabinete parlamentar, mas de ninguém mais ninguém menos do que o próprio deputado autor do projeto da lei de imigração, o comunista Orlando Silva, que já foi ministro de Lula e também é alvo de uma série de investigações dos escândalos de corrupção do governo petista. Na foto ao lado você confere uma reunião de Denis sobre o projeto da Lei de Imigração com a ONG Conectas, que é bancada pela Open Society de George Soros.

PT e PC do B, aliados ás redações de jornais, fizeram uma defesa visceral nas redes sociais dos imigrantes que jogaram a bomba e agrediram com socos e chutes os manifestantes da passeata de 02/05. Uma mulher foi espancada por um dos imigrantes, o agressor responderá por lesão corporal agravada pela covardia de seu ato.