Regime chinês usa coronavírus como pretexto para capturar religiosos

 


Especialistas afirmam que o uso excessivo de tecnologia pelo regime chinês para monitorar seus cidadãos aumentou ainda mais durante o surto do vírus chinês.

O Partido Comunista Chinês (PCC) estaria usando isso como um pretexto para acelerar a coleta maciça de dados pessoais por meio do reconhecimento facial e outros meios em nome da preservação da saúde pública. Membros de grupos religiosos proibidos estão entre os principais alvos.

De acordo com o Bitter Winter, durante a disseminação do vírus, o PCC não parou de prender membros da Igreja de Deus Todo-Poderoso, que é o grupo religioso mais perseguido na China. Desde janeiro, pelo menos 100 membros da Igreja foram detidos nas províncias de Sichuan, Fujian e Shandong.

Conforme mencionado em um relatório de 2018 preparado pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos:

“Durante o período 2014-2018, a vigilância, prisão e perseguição realizadas pelo Partido Comunista Chinês afetaram pelo menos 500.000 cristãos da Igreja do Deus Todo-Poderoso (IDT) que fugiram de suas casas fazendo com que várias centenas de milhares de famílias fossem destruídas”.

“Eu me escondo embaixo da cama toda vez que as autoridades vêm inspecionar a casa”, disse um membro da IDT que escapou ao Bitter Winter, impotente. Ele está na lista de procurados do regime, compilada no âmbito da campanha nacional “para erradicar o crime de quadrilha e eliminar o mal”, e as autoridades estão oferecendo recompensas de 5.000 a 10.000 yuanes (cerca de 700 1.400 dólares) por fornecer informações sobre o paradeiro dele.

Forçados a fugir de suas casas para escapar da perseguição, numerosos crentes de grupos perseguidos como xie jiao buscam refúgio em apartamentos alugados longe de seus antigos locais de residência. À medida que as medidas de vigilância e coleta de informações vêm se intensificando nos últimos meses, a já difícil situação desses fiéis em fuga se tornou ainda mais complicada e perigosa.

Para garantir o cumprimento da ordem de permanência nas residências durante a disseminação do vírus, o Governo enviou um grande número de funcionários para investigar os inquilinos de cada residência, aumentando assim a probabilidade de membros de grupos proibidos serem encontrados e presos.

Um funcionário do governo da província de Shandong revelou que, no início de fevereiro, seus superiores o haviam ordenado a investigar inquilinos não locais em sua comunidade residencial, prestando atenção especial aos crentes em grupos religiosos ou de prática proibidos, como a IDT e o Falun Gong (que também é chamado Falun Dafa e é uma prática avançada de auto-cultivo da escola de Buda, fundada pelo Sr. Li Hongzhi.

É uma disciplina na qual “a assimilação às características mais altas do universo – Zhen, Shan , Ren -Verdade, Benevolência, Tolerância – são o fundamento da prática).

A casa de um membro da IDT, localizada na província de Hebei ao norte, foi inspecionada por um grupo de prevenção de epidemias composto por representantes da comunidade local, pessoal médico e polícia. Ele foi identificado como membro de um xie jiao e, como resultado, foi preso, interrogado e torturado.

Um dos policiais bateu no rosto dele com um calendário de mesa depois de cobrir a boca com um saco plástico, enquanto outro pisou no pé e bateu nas panturrilhas com uma barra de ferro, ferindo-as seriamente. Os policiais também o forçaram a segurar um bastão elétrico nas mãos.

De acordo com um membro de um grupo de prevenção de epidemias, o governo local multou com 5.000 yuanes (cerca de US$ 700) os proprietários que alugaram suas propriedades ou aceitaram inquilinos sem autorização. Quem fornecer informações sobre esses casos será recompensado com 2000 yuans (cerca de US$ 280).

Em fevereiro, no dia seguinte à mudança, três funcionários da comunidade da província de Shanxi, no norte, apareceram na casa onde morava um membro da IDT que escapou para inspecioná-la. Por medo de ser presa, ela não forneceu suas informações de identificação e foi denunciada pelos funcionários à delegacia de polícia local como “uma pessoa suspeita”.

Em meio à epidemia, as pessoas que entram e saem das comunidades, shoppings, escritórios e outros locais públicos da China devem escanear um código de saúde em seus telefones celulares ou preencher formulários de informações pessoais. Farmácias e lojas exigem que os clientes registrem seus nomes reais toda vez que compram remédios ou suprimentos diários. Essas medidas de vigilância aumentam os desafios enfrentados pelos fiéis da IDT que escaparam.

Uma crente da IDT informou que foi a uma farmácia obter medicamentos para aliviar a dor de garganta, tosse e diarreia que ela começara a experimentar e que, para comprá-los, teve que registrar seu nome, idade e número de telefone celular.

Outro membro da IDT da cidade de Jinzhong, em Shanzhin, disse ao Bitter Winter que, em 14 de fevereiro, um funcionário da padaria a parou na porta da padaria e exigiu que ela registrasse seu nome, número do cartão de identificação, número e endereço de celular antes de entrar no estabelecimento. “Esta é uma ordem do governo e ninguém está isento de seu cumprimento”, explicou o funcionário.

(Fonte: The Epoch Times)

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...