fbpx

Rússia é o 1° país a registrar uma vacina contra a Covid-19, afirma Putin

 


O presidente Vladimir Putin afirmou, nesta terça-feira (11), que a Rússia registrou a primeira vacina do mundo capaz de vencer a Covid-19. Apesar do anúncio, sabe-se pouco sobre a eficácia dessa vacina, e ela vem sendo questionada por especialistas internacionais.

De acordo com o ministro da Saúde do país, Mikhail Murashko, o imunizante mostrou-se eficaz. No entanto, a comunidade médica vê com cautela esse anúncio em razão da rapidez com que o imunizante ficou pronto. 

“Esta manhã, pela primeira vez no mundo, uma vacina contra o coronavírus foi registrada”, anunciou Putin em uma videoconferência exibida pela televisão. “Sei que é bastante eficaz, que proporciona imunidade duradoura”, acrescentou.

Putin anunciou nesta terça-feira (11) que uma de suas filhas foi inoculada com a vacina que a Rússia afirma ter desenvolvido contra o novo coronavírus.

“Uma das minhas filhas tomou esta vacina. Acho que ela participou nos experimentos”, disse Putin, segundo a agência Interfax, poucos minutos depois de anunciar a homologação da “primeira” vacina contra a Covid-19.

A Rússia também anunciou que o Brasil deve participar da próxima fase dos testes da imunização, prevista para começar na quarta-feira (12).

Nesta terça (11), o governador do Paraná, Ratinho Júnior (PSD), anunciou que vai assinar na quarta-feira (12) um acordo para fabricar a imunização russa. A produção, entretanto, não tem previsão de início, pois depende de aprovação da Anvisa.

No dia 24 de julho, o governo do estado já havia anunciado que estudava uma parceria com a Rússia para fabricação da vacina.

Questionada sobre a produção da imunização, a Fiocruz respondeu que “o acordo com o instituto russo para a produção da vacina será feito com o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), conforme pronunciamento do diretor do instituto nesta manhã”.

Segundo a atualização mais recente da Organização Mundial de Saúde (OMS), do dia 31 de julho, sobre as vacinas para Covid-19 em desenvolvimento no mundo, a vacina russa ainda estava na fase 1 do processo. Para desenvolver uma imunização, são necessárias 3 etapas.

Nesta terça (11), a OMS comentou o anúncio da vacina russa. A entidade declarou que a Rússia “não precisa de sua aprovação” para registrar a vacina, e que precisará ter acesso aos dados da pesquisa para avaliar a eficácia e segurança da imunização para aprová-la.

A imunização russa se chamará Sputnik V, em alusão à corrida espacial da Guerra Fria entre União Soviética e Estados Unidos. O Sputnik I foi o primeiro satélite a orbitar a Terra, lançado pelos soviéticos em 1957.

Com informações G1

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...