Santander diz que tem como “premissa” não patrocinar arte de caráter religioso ou pornográfico

Mais uma para o escândalo em que se envolveu o Banco Santander. Após vir à tona nas redes sociais todo um conteúdo de imagens e vídeos que levaram a instituição a cancelar a exposição pedófila Queermuseu ( em português, Museu das Bichas), chegou até a redação do Terça Livre um link da página de patrocínios culturais do banco onde se lê uma lista de “premissas” que, em tese, orientam o financiamento do Santander às artes e à educação. É o que está lá:

Conheça nossas premissas

Para melhor atender e avaliar as propostas de patrocínios recebidas pelo Santander Brasil, disponibilizamos uma área para que nossos proponentes tenham todas as informações necessárias para enviarem suas solicitações.

Incentivamos projetos que visem o fomento da educação, esporte e cultura. Os projetos devem, ainda, estimular a criatividade e inovação, o conhecimento e sua transferência, o consumo consciente da sociedade, as práticas de sustentabilidade, contemplar os diversos setores da sociedade e atuar de forma associativa e inclusiva.

O Santander possui algumas restrições com relação aos seus investimentos em patrocínios, que envolvem:

Patrocínios de caráter religioso;

Patrocínio de caráter político;

Patrocínios que estejam atrelados a bebida alcoólica, cigarro, armamento ou pornografia.

https://www.santander.com.br/br/o-santander/cultura/patrocinios

Parece que as tais premissas que orientam a distribuição da grana do banco para as artes não valem se a mensagem é em prol da agenda politicamente correta e contra os valores cristãos. Mas não se enganem, outras instituições, como o banco Itaú, possuem ações no âmbito cultural muito mais nocivas à nossa sociedade do que essa amplamente noticiada patrocinada pelo banco espanhol. Já denunciamos aqui no site.

 

 

 

 

 

  • Denis Seijin

    Esses bancos tem que falir… principalmente o Satãnder

  • Denis Seijin

    Esses bancos tem que falir… principalmente o Satãnder