Secretário da Cultura denuncia estratégia de dominação cultural na Unesco

Roberto Alvim


Roberto Alvim, o novo Secretário da Cultura do atual governo proferiu ontem (19/11), um discurso na Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Durante a reunião anual em Paris, na França, Alvim afirmou a retomada da beleza na arte, denunciou a estratégia de dominação cultural através de doutrinação esquerdista e confessou a fé em Deus.

A arte brasileira transformou-se em um meio para escravizar a mentalidade do povo em nome de um violento projeto de poder esquerdista, um projeto mesquinho que perseguiu e marginalizou a autêntica pluralidade artística de nossa nação.”, disse o Secretário.

Confira o discurso na íntegra

Caríssimos Ministros:

Desde os idos da Era Colonial no século XVIII, a cultura brasileira se caracterizou por uma fusão vibrante de hábitos e sociedades.

Inicialmente, na forma de um sincretismo de costumes europeus, indígenas e africanos.

Com os amplos fluxos migratórios em direção ao Novo Mundo que ocorreram nos últimos 3 séculos, o Brasil evoluiu para se tornar um palco ainda mais efervescente, onde hábitos, músicas, danças, literatura e toda sorte de manifestação cultural nacional se mantiveram atentos às tendências e acessíveis às influências da grande arte mundial.

A índole hospitaleira do povo brasileiro e o seu temperamento pacífico – mas jamais passivo – favoreceram este tipo de comportamento.

Entretanto, justamente por sua serenidade, esta índole foi sequestrada por uma ideologia contrária à natureza e à integridade humanas.

A cultura amalgama um povo, construindo com suas manifestações a identidade nacional. E dentro do campo da cultura, a arte ocupa lugar singular: uma obra de arte é um sistema complexo de relações formais, construído no mais amplo diálogo com a história, proporcionando uma experiência estética cuja finalidade é o desvelamento da complexidade humana e, por consequência direta, a dignificação da vida.

Uma obra de arte é uma entidade múltipla de significados, podendo ser compreendida de infinitas maneiras, mas em nenhuma dessas maneiras encontra-se embutida a autorização para determinar de que modo o indivíduo deve pensar ou agir.

Nas últimas 2 décadas, a arte e a cultura brasileira foram reduzidas a meros veículos de propaganda ideológica, de palanque político, de propagação de uma agenda progressista avessa às bases de nossa civilização e às aspirações da maioria de nosso povo.

Passamos não mais a produzir e experimentar arte como uma ferramenta para o florescimento do gênio humano…

A arte brasileira transformou-se em um meio para escravizar a mentalidade do povo em nome de um violento projeto de poder esquerdista, um projeto mesquinho que perseguiu e marginalizou a autêntica pluralidade artística de nossa nação.

Este movimento abarcou a quase totalidade do Teatro, da Música, das Artes Plásticas, da Literatura e do Cinema, e não ocorreu de modo espontâneo: foi meticulosamente pensado, orquestrado e executado por lideranças tirânicas para nossa submissão.

Quando a arte e a cultura adoecem, o povo adoece junto…
Pois a sensibilidade de um povo é formada pelas obras de arte, assim como sua identidade é construída pela cultura.

A arte e a cultura no Brasil estavam a serviço da bestialização e da redução do indivíduo a categorias ideológicas, fomentando antagonismos sectários carregados de ódio – palcos, telas, livros, traziam não elaborações simbólicas e experiências sensíveis, mas discursos diretos repletos de jargões do marxismo cultural, cujo único objetivo era manipular as pessoas, usando-as como massa de manobra de um projeto absolutista.

A ideologia de esquerda perpetrou uma terrível guerra cultural contra todos os que se opuseram ao seu projeto de poder, no qual a arte e a cultura eram instrumentos centrais de doutrinação.

A esquerda perseguiu, difamou, destruiu as possibilidades de trabalho ou existência de qualquer voz que discordasse de seu credo revolucionário.

Pois bem, caros Ministros:

com a eleição do Presidente Jair Bolsonaro, os valores ancestrais de elegância, beleza, transcendência e complexidade encontraram uma nova atmosfera, e isso nos permite retomar o sonho de libertar a cultura e recolocá-la na direção de princípios poéticos sagrados.

Estamos atualmente envolvidos na árdua tarefa de promover um renascimento da arte e da cultura brasileiras.

Estamos comprometidos com a redefinição da identidade e da sensibilidade nacionais, em consonância com os valores e mitos fundantes de nossa nação.

Estamos trabalhando para trazer de volta o conceito de Obra de Arte como emancipação do indivíduo na direção da autonomia de pensamento.

Um governo de esquerda patrocina propaganda ideológica.

Um governo de direita apoia Obras de Arte.

Vamos devolver a Arte aos espaços da Arte, com total acessibilidade da população aos nossos Conservatórios de formação de excelência nas diversas áreas, e à difusão de arte clássica em nossos Centros Culturais.

Vamos promover uma cultura alinhada às grandes realizações de nossa civilização judaico-cristã.

E chamamos a este movimento de Conservadorismo em Arte.

Por Conservadorismo em Arte entendemos o conhecimento e o consequente amor aos clássicos, e será a partir deste conhecimento e deste amor que brotará a ambição de criarmos obras de grandeza semelhante em nosso tempo.

A arte, assim como a fé e a sabedoria, é uma das grandes pontes à nossa disposição para tornar cada um de nós mais próximo e unido ao nosso semelhante, e certamente é indispensável para o bem-estar emocional e espiritual das pessoas, assim como para um verdadeiro desenvolvimento social.

Esta é a nova mentalidade do Governo Federal Brasileiro com relação ao extraordinário momento histórico que atravessamos: que a arte não seja doutrinação, mas um caminho para a imaginação edificante, para a prosperidade do caráter, e para a recuperação da soberania de cada indivíduo sobre suas decisões e sua existência.

Para isso, estamos dedicando nossos esforços na realização de muitas tarefas: a formação de uma nova linhagem de gestores públicos, a criação de uma nova geração de artistas e a nobre edificação de nossa civilização brasileira, para a glória de Deus!

Muito obrigado a todos e que Deus os abençoe.

Sobre o Colunista

Ricardo Roveran

Ricardo Roveran

Estudante de artes, filosofia e ciências. Jornalista, crítico de arte e escritor. Escrevo por amor e nas horas vagas salvo o mundo.

Twitter: @RicardoRoveran

1 Comentário

Clique aqui para comentar

Blog Authors

Guilherme Galvão VillaniGuilherme Galvão Villani

Mariliense. Gosto pela Administração, Contabilidade e Finanças. Atu...

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...