Brasil reconhece nova presidente da Bolívia

Foto: AFP


A senadora Jeanine Áñez, do partido oposicionista Unidad Demócrata, declarou-se ontem (12) presidente da Bolívia. “Assumo imediatamente a Presidência”, disse Jeanine, embora a bancada do MAS, partido liderado pelo ex-presidente Evo Morales, não estivesse presente no Congresso.

Morales chegou nesta terça-feira ao México, país que lhe concedeu asilo político após sua renúncia à Presidência da República.

Jeanine Áñez anunciou que decidiu “assumir imediatamente” a Presidência da Bolívia, em seu novo status de líder do Senado, depois de considerar que no país havia uma situação de vacância, devido à renúncia e abandono do país do ex-chefe de Estado. Evo Morales, e do vice-residente Álvaro García Linera.

O governo brasileiro reconheceu a senadora Jeanine Áñez como nova presidente da Bolívia. Em publicação no Twitter, o Ministério das Relações Exteriores saudou a determinação de Jeanine em trabalhar pela realização de novas eleições e diz que quer aprofundar a “fraterna amizade” entre Brasil e Bolívia.

“O governo brasileiro congratula a senadora Jeanine Áñez por assumir constitucionalmente a Presidência da Bolívia e saúda sua determinação de trabalhar pela pacificação do país e pela pronta realização de eleições gerais. O Brasil deseja aprofundar a fraterna amizade com a Bolívia”, diz a publicação.

Com informações Agência Brasil

Sobre o Colunista

Bruna de Pieri

Bruna de Pieri

"Cheguei mesmo à conclusão de que escrever é a coisa que mais desejo no mundo" (C.L.) | Jornalista, Católica, 22 anos,

7 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Bom, ela não foi eleita por voto popular para presidente, só assumiu, não é? Vai dar problema isso daí e/ou, no mínimo, muita encheção de s@co! 😉 KKKKKKKKKKKK! 😀

  • Já fiz um comentário com este mesmo conteúdo e vou repetí-lo.
    Porque esta baranga quer o poder ?
    Vai fazer o que com ele ?
    A situação atual na Bolívia é quase igual aquela que ocorreu em abril de 1964. O presidente deu no pé, e não ficou ninguém para substituí-lo. Na Bolívia, o vice e quase toda a cadeia sucessorial deu no pé, então o poder é como um chapéu no ar em dia de ventania, e o primeiro que enfiar a cabeça nele, é o dono do poder. E a fulana quer o chapéu.
    Que triste destino, né ?
    Vão dizer que na época do Evo Morales o povão melhorou de vida, pode viajar e comer carne, todas aquelas arengas que os esquerdistas gostam de contar, mas veja o que temos aí: a Bolívia não é um país. Implodiu de podre, porque o Evo Morales não pensava no seria o país quando ele fosse embora. Haviam planos para educação do povo e este povo educado servir para criar riquezas para a Bolívia ? Pois é. Treze anos de Evo Morales foram treze anos perdidos. Conheço um outro país da América do Sul que passou por experiência igual depois de treze anos de governo de esquerda.

  • Espero que ela consiga apaziguar o povo Boliviano, construa boas relações com o Brasil e realize novas eleições sem fraude.

  • Ela só não pode postergar por tempo demais as eleições, ou corre o risco de mais um desgaste político desnecessário e indesejado na Bolívia.

  • O Brasil é um país falido e imbecilizados desde 1964.

    Tem gente que deveria ser fuzilado junto com o lixo do exército brasileiro.

Blog Authors

Guilherme Galvão VillaniGuilherme Galvão Villani

Mariliense. Gosto pela Administração, Contabilidade e Finanças. Atu...

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...