fbpx

Testemunha diz na CPMI das Fake News que jornalista da Folha ofereceu sexo em troca de informações

 


O ex-funcionário da empresa Yacows, Hans River do Rio Nascimento, disse que a jornalista da Folha de São Paulo, Patrícia Campos Melo, se insinuou para ele em troca de informações para escrever matéria em que acusava a empresa de disparar mensagens via Whatsapp durante a campanha de Jair Bolsonaro à presidência.

“Ela queria sair comigo e eu não dei interesse para ela. Ela parou na porta da minha casa e se insinuou para entrar na minha casa com propósito de pegar matéria, ela queria ver meu computador e quando eu cheguei na Folha de S. Paulo, quando ela escutou a negativa, o destrato que eu dei e deixei claro que não fazia parte do meu interesse, a pessoa querer um determinado tipo de matéria a troco de sexo, que não era minha intenção”, disse durante a oitiva.

De acordo com Hans, sua intenção era sobre ser ouvido à respeito de seu livro.  Ele relatou ainda que  as reportagens da Folha sobre sua suposta participação na campanha Bolsonaro o prejudicaram a ponto de não conseguir mais nenhum emprego.

“Não consigo pagar a minha própria insulina. As empresas me chamam, gostam do meu trabalho, mas quando puxam meu histórico e veem meu nome na reportagem, me mandam embora”, disse.

E completou: “A jornalista acabou com meu nome inteiro, colocou no jornal falando coisa que eu não tinha nem falado. Falando que eu estava fazendo campanha do Bolsonaro e eu não tinha feito. Do Doria, que eu não tinha feito. O prejuízo que essa jornalista da Folha me deu é absurdo”.

Acompanhe a entrevista:

Sobre o Colunista

Bruna de Pieri

Bruna de Pieri

Jornalista e católica.

15 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Esperando a Dona Fóia, acusar ele de estuprador ou asseador sexual, dizendo que a jornalista é uma dama, fina e recatada!

  • Essa jornalista merece ser presa ,ir pra cadeia e perder o direito de notificar o jornalismo se é que posso chamar de jornal ,porque a folha de São Paulo deixou de ser jornal informativo faz muito tempo ,.

  • Esse é literalmente o negão do wattsapp. O que aconteceu hoje foi o PT abrindo uma imagem onde dizia: “Pegamos o Bolsonaro” , e … surpresa!!! Já aconteceu com todo mundo.

  • Esquerda é isso ai: criminosos. E os liberais são a vaselina, já estava o Rennan Santos do MBL chorando pela jornalistazinha mentirosa da Folha no twitter.

  • Se o cara tivesse cedido as insinuações dela, mas não tivesse entregado o notebook, a essas alturas estaria atrás das grades, acusado de estupro.

  • O corporativismo jornalístico já entrou em cena, acham que são deuses e que mesmo errada a tal jornalista tem que ser protegida pela massa deles. É o fim de nossa mídia de massa, cada vez com menos credibilidade.
    E parabéns ao Terça Livre pelo jornalismo franco e verdadeiro que nos oferece.

  • Estão querendo reverter o caso, pois essa jornalista tinha o intuito de impor ao Bolsonaro o uso de disparo no whatszap e o Léo disse que o mesmo não o fez e agora vem com essa de vitima, fazendo uso de suas atribuições como jornalistas, pois virou crime nesse país ir contra aos mesmos, como se fossem super sinceros. Vão falar o que agora, um negro sendo machista, misógino?
    O mesmo deixou de ser negro como eu só por ter falado a verdade. Lamentável

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...