Wajngarten desmente nova matéria da Folha: “Isso não é jornalismo, é mau caratismo!”



O secretário de comunicação da Presidência da República, Fabio Wajngarten, voltou a rebater a Folha de S. Paulo em mais uma matéria divulgada pelo veículo.

Na edição de hoje (20) a Folha divulgou que a agência que mais recebe dinheiro da Secom (Secretaria de Comunicação da Presidência) é cliente de uma empresa de Fabio Wajngarten.

Em resposta, a SECOM emitiu uma carta ao jornal em que explica e desmente a informação. Leia à íntegra:

Mais uma vez a Folha de S. Paulo ataca o Secretário de Comunicação da Presidência da República, Fábio Wajngarten, com títulos levianos, notícias falsas, informações deturpadas e omissões de respostas para tentar denegrir sua imagem e tentar criar um “escândalo” aonde não existe.

Na edição de hoje, o título de chamada da primeira página “Cliente de Wajngarten lidera verbas da Secom” e a manchete de página da matéria “Cliente de Wajngarten vira número 1 em verbas publicitárias da Secom” denotam a maneira vil, caluniosa e covarde como o jornal vem tratando o assunto, sempre com a tentativa de fazer com que ilações virem verdades.

O mau jornalismo praticado pela Folha de S. Paulo se transformou em abjeta campanha persecutória, inaceitável e incompatível com que determina a ética e os bons costumes do bom e sério jornalismo.

Não é verdade que a agência Artplan se tornou o grupo com maior volume de recursos de publicidade no ano passado por ser “cliente” da FW Comunicação como afirma o jornal de maneira leviana.

É mentira deslavada que os repórteres, se fossem profissionais, conseguiriam descobrir se de fato quisessem informar ao público, e não desinformá-lo como vem fazendo regularmente.

A Artplan ganhou uma concorrência interna entre as agências com contratos com a Secretaria Especial de Comunicação da Presidência da República realizada na gestão anterior e não da de Fábio Wajngarten para realizar a maior campanha do governo em 2019, a da Nova Previdência.

Campanha, por sinal, elogiada pelo mercado e que serviu de apoio ao governo para aprovar a Nova Previdência no Congresso Nacional.

Foi a maior campanha em volume de veiculação e de recursos, o que tornou a Arplan a empresa que mais faturou em 2019. Com um detalhe: seus investimentos foram menos da metade do que a campanha previdenciária do governo anterior.

Ou seja, não foi o atual Secretário de Comunicação que escolheu a agência e sim um legítimo processo de disputa interna anterior à sua chegada ao governo. Isso o jornal não diz em letras garrafais. Só faz uma pequena referência no meio do texto. Ilude e engana o leitor.

Isso não é jornalismo, é mau caratismo! A Folha de S. Paulo também omitiu de seus leitores outras duas informações básicas para entender que não houve qualquer favorecimento à agência Artplan: o trabalho de monitoramento realizado pela FW Comunicação não tem qualquer ligação com veiculação publicitária e o valor do contrato entre as partes é de R$ 1.520,00 mensais, assinado antes dele virar Secretário de Comunicação.

Isso não é jornalismo, é má fé mesmo. O que há por trás das matérias diárias da Folha de S. Paulo é o combate intermitente contra o governo e as boas práticas de gestão de recursos públicos na Secom, com um novo modelo de distribuição dos investimentos que afetou o faturamento dos grandes grupos jornalísticos como Folha.

Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República
20 de janeiro de 2020

Colunistas

Guilherme Galvão VillaniGuilherme Galvão Villani

Mariliense. Gosto pela Administração, Contabilidade e Finanças. Atu...

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...